Cuiabá, 23 de Setembro de 2019

POLÍCIA
Segunda-feira, 05 de Agosto de 2019, 18h:00

NA ALA EVANGÉLICA

Assassino de Kaytto estupra colega de cela na PCE e é autuado em flagrante

Única News
Da Redação

(Foto: Reprodução)

O presidiário Edson Alves Delfino, de 39 anos, condenado por estuprar e matar o menino Kaytto Nascimento Pinto, em 2009, foi acusado de estuprar um colega de cela na Penitenciária Central do Estado (PCE).

O crime ocorreu dentro da ala evangélica, no dia 28 de julho, mas foi divulgado à imprensa somente nesta segunda-feira (05). Edson cumpre pena de 35 anos de prisão pela morte de Kaytto. A vítima, que tem 21 anos, cumpre pena por roubo.

No dia do crime, a vítima teria pedido para ser transferido para o raio evangélico, para poder participar da igreja. Edson teria convidado o rapaz para dormir no mesmo local, já que estava frio e o rapaz dormia próximo a uma entrada de vento.

Na madrugada, o detendo acordou com Edson passando a mão em suas partes íntimas, em seguida, percebeu que ele estava se masturbando.

No dia seguinte, a vítima conversou com o pastor, que chamou os agentes prisionais e denunciou a situação.

Ele fez boletim de ocorrência e Edson foi autuado em flagrante.

Caso Kaytto

Kaytto Guilherme Nascimento Pinto morreu aos 9 anos de idade, após ser estuprado e assassinado por Edson. O crime chocou o Estado na época.

O garoto despareceu quando estava a caminho da escola. No trajeto, Edson Delfino ofereceu carona, já que era conhecido da vítima. Durante alguns dias, a família fez campanha para tentar achar Kaytto, que até então estava desparecido.

Dias depois o corpo de Kaytto foi encontrado em um terreno baldio a 500 metros do Fórum de Cuiabá.

Na época do crime, Edson cumpria pena em regime semiaberto por um crime semelhante, cometido em 1999, em Primavera do Leste (a 239 km de Cuiabá).


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE