Cuiabá, 17 de Junho de 2019

POLÍCIA
Quinta-feira, 30 de Maio de 2019, 07h:59

REPROVAÇÃO DE 5,7% NA CAPITAL

Ipem fiscaliza bombas para verificar se os postos fornecem a quantidade cobrada

ÚnicaNews
Com assessoria

(Foto: Divulgação/PJC)

Uma operação, deflagrada nessa quinta-feira (29), pelo Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (Ipem) está fiscalizando os postos de combustível de Cuiabá para verificar o funcionamento das bombas.

A operação é uma parceria com a Polícia Civil e tem o objetivo de verificar se a quantidade que entra no tanque dos carros, corresponde ao que é cobrado pelos postos. Neste ano, até o momento, 2.051 bicos em bombas de combustível foram verificados e o índice de reprovação foi de 5,7%.

Segundo o técnico fiscal metrológico Hercílio Rodrigues Filho, a ação foi proposta pela polícia após denúncias de clientes. Como os locais apontados pelo consumidor se repetiram nas ocorrências, a aferição, que está dentro das atividades de rotina da autarquia, foi solicitada.

Quando os técnicos chegaram ao local, eles usaram um aferidor de medida de volume de 20 litros, padronizado para ação, para coletar material. Ao final, é possível ver se o equipamento está transferindo ao recipiente mais ou menos do que é requisitado.

Caso haja uma diferença maior que 100ml para mais ou para menos, aquele bico está reprovado, conforme o estabelecido nas normas do Instituto Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade (Inmetro). Quando a diferença em prejuízo ao consumidor for acima de 100 ml para menos, a polícia configura a ação como ilegal, conhecida popularmente como “golpe da bomba baixa”.

De acordo com a diretora de Fiscalização do Ipem, Jussara Amaral, os dois órgãos sempre trabalham em parceria e as atividades conjuntas não se resumem as bombas de combustível. “Estamos sempre à disposição para contribuir para a segurança do consumidor”.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE