Cuiabá, 11 de Dezembro de 2019

POLÍTICA
Quarta-feira, 03 de Julho de 2019, 08h:35

POLÊMICA DOS INCENTIVOS FISCAIS

Botelho anula sessão presidida por Janaína Riva; projeto será lido nesta quarta-feira (3)

Única News
Com assessoria

(Foto: AL-MT)

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (DEM) anulou em caráter administrativo a sessão ordinária realizada no dia 27 de junho. Diante disso, o projeto de lei 53/2019 de autoria do governo do Estado que trata da reinstituição de incentivos fiscais e aumento da carga tributária será lido em plenário somente na sessão programada para quarta-feira (3).

A sessão ordinária do dia 27 foi aberta pelo deputado estadual Lúdio Cabral (PT) às 9h40. No entanto, o petista decidiu encerrá-la em seguida por falta de quórum, ou seja, constatou que não havia parlamentares suficientes em plenário para proceder qualquer votação.

Em seguida, às 10h, a vice-presidente da Assembleia Legislativa, Janaína Riva (MDB), abriu uma sessão extraordinária e prosseguiu com a leitura do projeto de lei do Executivo, o que foi alvo de discórdia pelos demais parlamentares.

Após os deputados Lúdio Cabral (PT) e Wilson Santos (PSDB) ingressarem em conjunto com um mandado de segurança no Tribunal de Justiça para anular a sessão extraordinária do dia 27, o presidente do Legislativo, Eduardo Botelho, reconheceu em caráter administrativo à violação ao Regimento Interno realizado pela Mesa Diretora na semana passada, o que por consequência leva a perda do objeto do mandado de segurança que já estava concluso para decisão da vice-presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Maria Helena Póvoas.

O deputado Wilson Santos elogiou a conduta de Botelho e afirmou que ganha a sociedade que poderá acompanhar com mais tempo os debates a respeito da restituição dos incentivos fiscais.

“Foi uma decisão prudente. De forma humilde e sensata, a Mesa Diretora, agora presidida pelo deputado Botelho, agiu com bom senso e antecipou-se a uma decisão do Judiciário. Agora, cabe ao Parlamento discutir e aprofundar com os segmentos sociais interessados essa proposta”, disse.

O deputado Lúdio Cabral classificou a decisão de sensata e agora espera que a Lei de Diretrizes Orçamentária só seja discutida após o Legislativo aprovar ou não o projeto de interesse do Executivo.

"O Legislativo não pode ser conduzido com atropelos. Agora, vou trabalhar para que o orçamento do Estado vigente para 2020 só seja discutido após o debate deste projeto. Naturalmente, vai impactar nas finanças independente de ser aprovado, o que torna sem sentido qualquer programação para o destino das verbas públicas”.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE