Cuiabá, 14 de Novembro de 2019

POLÍTICA
Sexta-feira, 08 de Novembro de 2019, 09h:19

"ESTADO DE SUSPENSÃO"

Maluf cobra a Justiça e diz que afastamento de conselheiros prejudica o TCE

Euziany Teodoro
Única News

TCE

O recém-eleito presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Guilherme Maluf, cobra celeridade da justiça para uma solução sobre os cinco conselheiros da Corte que estão afastados há mais de dois anos. Para o conselheiro, o afastamento de cinco titulares tem deixado o tribunal “praticamente em estado de suspensão”.

Cinco conselheiros titulares estão afastados por envolvimento em esquema de corrupção. São eles: Antonio Joaquim, José Carlos Novelli, Valdir Teis, Valter Albano e Sérgio Ricardo. Apenas Maluf e Domingos Campos Neto são titulares atualmente.

Em setembro de 2017, a Polícia Federal deflagrou a Operação Malebolge, acusando os cinco conselheiros de receber propina para manter a governabilidade e aprovar as contas e projetos de interesse do então chefe do Executivo, Silval Barbosa.

Para Maluf, já houve tempo suficiente para uma solução judicial, mas nem denúncia foi oferecida, até hoje, contra nenhum dos afastados.

“Realmente há – não digo mau funcionamento -, mas o TCE podia ter um rendimento maior com a presença desses conselheiros. Eles construíram uma história e desenvolveram programas que historicamente deram certo. E o afastamento desses conselheiros deixa o Tribunal quase que num estado de suspensão”, afirmou, em entrevista à Rádio Capital, nesta sexta-feira (8).

Para ele, o TCE está sendo prejudicado pela morosidade da justiça. “Vejo que há sim um prejuízo para o TCE a permanência desses conselheiros afastados. Não estou aqui para absolver ninguém, mas precisamos ter uma solução. Existem conselheiros que têm vontade de aposentar e essa cadeira poderia ser preenchida por novos titulares. Precisamos resolver essa questão”.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE