Cuiabá, 12 de Dezembro de 2019

POLÍTICA
Quinta-feira, 10 de Outubro de 2019, 17h:30

PRAZO DE CINCO DIAS

Procuradoria autoriza CPI da Energisa e Botelho determina indicação de membros

Única News
Da redação

(Foto: AL-MT)

A Procuradoria-Geral da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) emitiu parecer favorável à instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar preços exorbitantes da energia elétrica, que já ficou conhecida como “CPI da Energisa”, nesta quinta-feira (9). O presidente da Casa, deputado Eduardo Botelho (DEM), anunciou o requerimento de instalação para escolha dos membros da CPI.

A CPI pretende investigar possíveis irregularidades cometidas pela empresa concessionária de energia elétrica de Mato Grosso, a Energisa S/A.

Botelho determinou a indicação dos membros para compor a CPI em um prazo de cinco dias. A Comissão deverá ser presidida pelo autor da proposta, o deputado Elizeu Nascimento (DC), segundo Botelho.

“Temos o parecer da Procuradoria da Assembleia Legislativa favorável e nós vamos mandar publicar. Agora, cada bloco tem cinco dias para indicar os membros participantes, lembrando que o [deputado] Elizeu deve presidir a CPI”, destacou o presidente do Legislativo.

Dezenove parlamentares assinaram o requerimento para a abertura da CPI. O presidente da Assembleia já solicitou, também, uma audiência pública para a próxima terça-feira (15) para discutir o tema. O presidente registrou que há cerca de um mês vem fazendo duras críticas ao que classifica de “péssimo serviço prestado pela Energisa em Mato Grosso".

O deputado Elizeu Nascimento, em justificativa para a abertura da CPI, argumenta que o pedido teve como base um abaixo assinado que reuniu 10 mil assinaturas de consumidores que estão revoltados com o alto preço da tarifa e o péssimo atendimento da Energisa S/A, que lidera as reclamações no Procon.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE