Cuiabá, 16 de Setembro de 2019

POLÍTICA
Quarta-feira, 24 de Julho de 2019, 17h:14

PELO FIM DA GREVE

Wilson Santos propõe que Mendes parcele reajuste aos professores

Única News
Com assessoria

(Foto: AL-MT)

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) defendeu que o governador Mauro Mendes (DEM) feche um acordo de até 10 parcelas com o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep) para que ponha fim à greve dos professores da rede pública, que já dura 60 dias.

Na sessão ordinária dessa quarta-feira (24), o parlamentar solicitou ao líder do governo na Casa e a Mendes a apresentar dados contrários aos citados em seu discurso, que revelam aumento de arrecadação de impostos e consequente aumento da capacidade de investimentos do Estado com recursos próprios.

“Comparado a 2018, Mato Grosso em 2019 vai passar a ter R$ 600 milhões a mais do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab). São R$ 670 milhões a mais de ICMS e R$ 161 milhões a mais de IPVA. Isso com base nas contas do primeiro quadrimestre apresentadas pelo governo do estado, que representa aproximadamente R$ 1,431 bilhão”, disse.

O parlamentar avalia que a quantia estimada em arrecadação é irrisória perto do que será gasto para aplicação do cumprimento da Lei 510/2013 - pauta principal da reivindicação dos professores. Trata-se de uma lei aprovada na gestão do ex-governador Silval Barbosa que prevê o aumento do poder de compra dos profissionais da educação por meio de um reajuste concedido na ordem de 7,69%.

“O que precisa ao governador é humildade para colocar fim a essa greve, que prejudica o mais pobre. Quem estuda na rede pública é o filho do pedreiro, da empregada, do trabalhador em geral. Chega de intransigência, já que os próprios professores sinalizaram que aceitam o parcelamento em até 10 vezes”, concluiu o deputado Wilson Santos.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE