Cuiabá, 25 de Maio de 2024

CIDADES Segunda-feira, 22 de Maio de 2017, 19:30 - A | A

22 de Maio de 2017, 19h:30 - A | A

CIDADES / MOTORISTA DEVEM OBEDECER LIMITES

Juíza nega ação popular e mantém multas de radares da Avenida Miguel Sutil

Da Redação



(Foto: Secom/Câmara)

vereador Dilemario 2.jpg

 

A ação popular interposta na Justiça, pelo deputado Dilemario Alencar (PROS), na qual solicitava  a anulação de todas as multas emitidas pelos radares de fiscalização eletrônica localizados na Avenida Miguel Sutil - em Cuiabá -, não foi acatada pela Justiça Federal. 

 

A juíza federal da 2ª Vara do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Vanessa Curti Perenha Gasques, julgou improcedente - pela terceira vez - a ação popular por entender não ter sido comprovada a má-fé, a extinção do processo se deu sem custas e honorários ao vereador.

 

A ação popular contra o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, e o ex-secretário de municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Thiago França Cabral, tinha por objetivo anular todas as multas aplicadas por sete radares instalados no trecho da rodovia federal BR-364 localizado na área urbana da capital, e que se sobrepõe à Avenida Miguel Sutil, bem como a devolução dos valores pagos pelos condutores que foram multados desde o dia 17 de novembro.

 

Conforme a decisão, de abril deste ano, não houve qualquer violação ao princípio da legalidade e ato lesivo ao patrimônio da União, tendo em vista que a Resolução nº 396 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) não conflita com a Resolução nº 66, também do conselho, que distribuiu para municípios e estados a competência para fiscalização do trânsito, aplicação das medidas administrativas, penalidades cabíveis e arrecadação das multas aplicadas em rodovias federais localizadas em áreas urbanas. “Além disso, não há necessidade de transferência de competência para o município se a própria resolução já o fez”.

 

A juíza explica ainda em sua decisão que o número anual de vítimas fatais no trânsito é superior ao número de americanos que foram mortos na guerra do Vietnã, e que a obediências aos limites de velocidade cabe a todos os motoristas, e isso independe da instalação dos radares na área do município, do estado ou da União.

 

“Porém, o estado brasileiro tem se mostrado preocupado com tal questão (...) A instalação de radares visa, primordialmente, a redução de velocidade em determinados trechos e, como isso, induzir o motorista a obedecer aos limites estabelecidos em todo o trecho, de forma que possam ser reduzidos os seus impactos em caso de acidentes”, acrescenta a magistrada.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia