Única News - Site de notícias em Mato Grosso

Sexta-feira, 08 de Novembro de 2019, 15h:32

TJ acata denúncia e professora que atropelou estudantes virá ré por homicídios

Claryssa Amorim
Única News

O juiz da 12ª Vara Criminal de Cuiabá, Flávio Miraglia, acatou a denúncia do Ministério Público do Estado (MPE) contra a professora Rafaela Screnci da Costa Ribeiro, por atropelar três estudantes em frente à boate Valley, em Cuiabá. Agora ela se torna ré no processo.

A professora bióloga, de 34 nos, atropelou no dia 23 de dezembro de 2018 os jovens: Hya Girotto, de 21 anos, Myllena Lacerda Inocêncio, de 22 anos, que morreu no local, e o cantor Ramon Alcides Viveiros, de 25 anos, que morreu após permanecer uma semana internado.

Ela foi denunciada pelo MPE por crime de homicídio de dolo eventual – por duas vezes -, e homicídio tentado.

“Verificada a presença das formalidades processuais estabelecidas pelo art. 41 do Código de Processo Penal e a inexistência das hipóteses do art. 395 do mesmo diploma legal, recebo a denúncia ofertada pelo representante ministerial em face de Rafaela Screnci da Costa Ribeiro e determino a citação da acusada para, querendo, apresentar resposta à acusação”, cita o magistrado.

O juiz deu prazo de 10 dias para a professora se manifestar para a necessidade de um defensor público.

Foi determinado ainda o arquivamento do inquérito contra a estudante Hya Girotto, que era acusada de coautoria no acidente. O MPE alega que ela não pode ser denunciada, pois não houve vínculo com a motorista que causou o acidente.

O inquérito contra Hya foi aberto, após ser analisada imagens de uma câmera da avenida Isaac Póvoas, na Capital, e constatado que ela poderia ter influenciado no atropelamento, já que ela é vista dançando na faixa de pedestres.

Após o atropelamento, a bióloga foi presa visivelmente embriagada, pagou fiança e foi liberada, logo no dia seguinte.

Entenda o caso

O cantor Ramon Alcides Viveiros, 25 anos, e as estudantes de Direito Myllena Lacerda Inocêncio, de 22 anos, e Hya Girotto, de 21 anos, foram atropelados em frente à Valley após saírem da boate.

Myllena morreu no local do acidente. Seis dias após o atropelamento, Ramon teve a morte cerebral declarada. Já Hya Girotto foi a única sobrevivente. Ela ficou cerca de 20 dias internada no Hospital Geral (HGU), passou por quatro cirurgias e recebeu alta.

De acordo com informações de testemunhas, as vítimas saíram da casa noturna em aparente estado de embriaguez. As testemunhas relatam ainda que a professora da UFMT dirigia em alta velocidade.

A suspeita dirigia uma picape Renault Oroch quando atingiu três jovens que saiam da Valley Pub, foi presa momentos após o acidente, ficou detida na Central de Flagrantes até o momento da audiência de custódia e foi liberada após pagar nove salários mínimos. Atualmente ela responde pelo crime em liberdade.

O atropelamento foi registrado por câmeras de segurança. No atropelamento, Rafaela tentou fugir, mas acabou detida. Ela se recusou a fazer o teste do bafômetro, porém, estava embriagada conforme a Politec.


Fonte: Única News - Site de notícias em Mato Grosso

Visite o website: www.unicanews.com.br