Cuiabá, 22 de Fevereiro de 2020

POLÍCIA
Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2020, 09h:48

CASO BRUNO

"É uma vitória, mas também um alerta de que estamos de olho", diz procuradora

Única News
Com Assessoria

(Foto: Divulgação)

A procuradora do Estado e presidente do Conselho Estadual de Direitos da Mulher em Mato Grosso (CEDM), Glaucia Amaral, considera uma vitória a desistência da contratação do goleiro Bruno Fernandes pelo time Operário de Várzea Grande. A decisão ocorreu nessa quarta-feira (22).

“Vencemos. Mas, principalmente, as pessoas que têm vindo até mim falam que se sentiram representadas com a decisão porque entenderam que ser contra a contratação não é ser contra a ressocialização. Elas entenderam que a mensagem desta contratação seria negativa, que a influência e o recado que ela passaria seria extremamente negativa. É satisfatório, também, a repercussão nacional que o caso teve, mostrando a importância do posicionamento do Conselho e da força das mulheres”, afirma Glaucia.

A presidente do Conselho da Mulher também pontua que o próprio time e seus jogadores entenderam a necessidade de recuar. “O Operário perdeu dois patrocinadores e teve que compreender que a contratação poderia implicar em ainda mais efeitos negativos. Fica a lição”, completa.

Glaucia, no entanto, pondera que o “Caso Bruno” é um dentre tantos outros que o Conselho da Mulher lida diariamente. “Houve a vitória, nós comemoramos, mas com o encerramento do caso, já estamos com outra situação a caminho. Temos acompanhado, atentamente, o relatório de segurança pública com o aumento do feminicídio em Mato Grosso e precisamos nos posicionar. O recado com a vitória contra o goleiro é que estamos de olho e essa atenção é rotineira”.

Dados recentes divulgados pela Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEAC) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) indica que das 87 mulheres assassinadas em Mato Grosso em 2019, 39 foram de feminicídios.

A tipificação “feminicídio” foi inclusa pela lei 13.104/2015 na categoria de “crime contra a vida no que diz respeito a homicídio de mulheres praticados em virtude de violência doméstica e familiar ou menosprezo/discriminação contra a condição de mulher”.

“Nossa luta não para e é cotidiana. Por isso precisamos da atuação do Conselho Estadual de Direitos da Mulher, entidade que representa não apenas setores públicos, mas sociedade civil em geral, e que reflete em uma sociedade menos desigual para com as mulheres”, completa Glaucia Amaral.

Caso Bruno

Bruno Fernandes foi goleiro de times grandes como Atlético Mineiro, Corinthians e Flamengo. O atleta foi preso em 2010 e condenado em 2013 por homicídio triplamente qualificado da modelo Eliza Samudio, com quem teve um filho. Bruno teve progressão de pena do regime fechado para o semiaberto em 19 de julho de 2019, após uma decisão da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha (MG).


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE