Cuiabá, 19 de Maio de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 05 de Abril de 2017, 18:34 - A | A

05 de Abril de 2017, 18h:34 - A | A

POLÍTICA / "ABRINDO O VERBO"

Ao contrário dos colegas, Romoaldo assume verba extra para deputados na AL-MT

Da Redação



(Foto: Reprodução)

deputado romoaldo.jpg

 

Depois do depoimento bombástico do ex-deputado José Geraldo Riva - dado à juíza Selma Arruda, na última sexta-feira (31), na 7ª Vara Criminal -, começaram a pipocar notas, refutando as acusações de que durante o período de 2003 a 2010, pelo menos 33 parlamentares estaduais, sete de volta a esta Legislatura, recebiam um 'gordo mensalinho'. Ainda acusou o ministro da Agricultura e Pecuária, Blairo Maggi, ex-goernador de Mato Grosso, de realizar estes 'abonos', embutidos no orçamento mensal da Assembleia.

 

Mas para a surpresa geral, nesta quarta-feira (05), o ex-presidente da Assembleia Legislativa, deputado peemedebista, Romoaldo Júnior, confirmou que os deputados pegavam sim este 'mensalinho', em entrevista à uma rádio na capital. 

 

E mesmo não estando na lista dos nomes citados por Riva, em seu reinterrogatório à Justiça, Romoaldo desmascara os colegas de Parlamento e revela que a mesada girava entre R$ 15 a R$ 30 mil. Recursos que eram repassados para a Mesa Diretora, para os deputados bancarem as ações assistencialistas e eleitoreiras, como por exemplo, manter casas de apoios, pagar funerais e translado de pessoas falecidas para outras cidades e estados.

 

“A verba indenizatória, na época, era insuficiente para o exercício do mandato parlamentar e por isso que a Mesa Diretora ajudava com um recurso extra. Agora, não conheço este tal 'mensalinho', pelo menos com este nome. Assim, a lista apresentada pelo Riva, à magistrada, se refere ajuda que ele deu a todos os deputados para realizar os trabalhos assistenciais. Não vejo nada de irregular', comentou o parlamentar em entrevista a Rádio Capital FM na manhã desta quarta-feira (5).

 

Evitando falar sobre a legalidade do repasse extra de dinheiro ou se essa prática continua acontecendo no Legislativo, o peemedebista disse ainda que esse tipo de ajuda sempre ocorreu dentro do Legislativo e que todos os deputados receberam.

 

“Não foi um deputado, foi praticamente todos que passaram pela Casa desde que Pedro Pedrossian governou Mato Grosso, antes da divisão. Não é novidade que a Assembleia é Casa de assistência social e de amparo. O Executivo não ajuda, mas a Assembleia acaba fazendo”, disparou. 

 

Ainda na entrevista, Romoaldo assegurou que a tal “ajudinha” do ex-presidente José Riva não foi utilizada para benefícios pessoais dos ex e atuais deputados. “Não é mensalinho, porque você não põe o dinheiro no bolso”, declarou o peemedebista evitando comentar a legalidade da mesada.

 

Além do salário mensal que ultrapassa a R$ 25 mil, os deputados tem uma verba indenizatória de R$ 65 mil por mês. (Com informações da  Rádio Capital FM) 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia