Cuiabá, 12 de Julho de 2024

POLÍTICA Domingo, 28 de Outubro de 2018, 19:18 - A | A

28 de Outubro de 2018, 19h:18 - A | A

POLÍTICA / SOB NOVO COMANDO

Bolsonaro e os 10 homens fortes de seu governo em 2019

Veja



(Foto: Agência Brasil)

bolsonaro 5.jpg

 

Eleito como o 42º presidente do Brasil neste domingo (28), o presidente eleito Jair Bolsonaro tem em sua retaguarda  homens fortes que deverão ser distribuídos em postos que vão da Economia à Educação, da articulação política às estratégias para redes sociais. 

 

Entre civis e militares, familiares e amigos recentes, o núcleo duro da campanha de Bolsonaro envolve três nomes já indicados como ministros, seus três filhos políticos, o presidente do seu partido, o vice-presidente eleito e colaboradores de seu plano de governo, possíveis ocupantes de cargos no primeiro escalão do governo que começa em 1º de janeiro.

 

Depois dentre os mais cotados está Paulo Guedes, responsável pela metamorfose do deputado estatista Jair Bolsonaro em um candidato à presidência, adepto do liberalismo econômico.

 

Guedes, 68 anos, se encontrou pela primeira vez com o capitão reformado em novembro de 2017, em um hotel na Barra da Tijuca – conversa que durou mais de cinco horas. Desde então, o escolhido para comandar um possível superministério da Economia no governo Bolsonaro e o presidente eleito se falam todos os dias.

 

Outro é Gustavo Bebianno, presidente interino do PSL. Advogado carioca, Bebianno, 54 anos, administra a agenda e os encontros do presidente eleito. O advogado é cotado para o Ministério da Justiça e deve atuar na articulação política da transição de governo.

 

O deputado federal do DEM-RS, Onyx Lorenzoni é o escolhido de Jair Bolsonaro para ser seu braço-direito no Palácio do Planalto, ocupando o Ministério da Casa Civil. Eleito para seu quinto mandato na Câmara dos Deputados, Lorenzoni foi o segundo mais votado no Rio Grande do Sul, com 183.518 votos, seu melhor resultado desde 2002, quando se elegeu pela primeira vez, pelo antigo PFL. 

 

Flávio Bolsonaro 37 anos, é o filho mais velho de Jair Bolsonaro e Rogéria Bolsonaro, primeira mulher do presidente eleito. Deputado estadual pelo Rio de Janeiro desde 2003, o “Zero Um”, como é chamado pelo pai, foi o senador mais votado no estado em 2018, com 4,3 milhões de votos. 

 

Carlos Bolsonaro, 35 anos, é o “Zero Dois” de Jair e Rogéria Bolsonaro. Eleito vereador do Rio de Janeiro pela primeira vez em 2000, quando tinha apenas 17 anos, está no quinto mandato na Câmara carioca. Carlos é o responsável pela estratégia do pai nas redes sociais e, sobretudo, no WhatsApp. 

 

Eduardo Bolsonaro 34 anos, é o “Zero Três” da família. Eduardo acaba de ser eleito para seu segundo mandato na Câmara dos Deputados por São Paulo com 1,8 milhão de votos, o melhor desempenho de um candidato a deputado na história. 

 

Ao lado do colega de Câmara Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e do presidente do PSL, Gustavo Bebianno, “Zero Três” foi um dos principais coordenadores da campanha de Jair Bolsonaro. A uma semana do segundo turno da eleição presidencial, veio à tona um vídeo em que Eduardo diz que para fechar o Supremo Tribunal Federal bastam “um soldado e um cabo”. 

 

O senador Magno Malta (PR-ES), 61 anos, era o nome preferido de Jair Bolsonaro para ser seu companheiro de chapa na eleição presidencial. O senador conservador, que também é pastor evangélico e cantor gospel, no entanto, acabou recusando a vice do capitão reformado para apostar em sua terceira eleição ao Senado – no que acabou fracassando, com um terceiro lugar na disputa. 

 

General Hamilton Mourão - general de quatro estrelas reformado -, 65 anos, é o vice de Bolsonaro. As declarações desastradas de Mourão chegaram a contrariar o novo presidente. Em todas as ocasiões foi desautorizado por Jair Bolsonaro.

 

O general de quatro estrelas reformado Augusto Heleno Ribeiro Pereira, 70 anos, é coordenador do programa de governo de Jair Bolsonaro e indicado como possível ministro da Defesa. Aos 70 anos de idade, Augusto Heleno foi o primeiro comandante da missão de paz da ONU no Haiti. Tido como conciliador e maleável, é bastante respeitado nas Forças Armadas. 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia