Cuiabá, 22 de Maio de 2024

POLÍTICA Quinta-feira, 27 de Julho de 2017, 12:06 - A | A

27 de Julho de 2017, 12h:06 - A | A

POLÍTICA / PROCESSO SOB ANÁLISE

Pinheiro diz que se Consórcio quer gerenciar iluminação tem que sanar irregularidades ou está fora

Da Redação



(Foto: Reprodução)

cuiaba iluminada.jpg

 

Nesta quinta-feira (27, o prefeito peemedebista, Emanuel Pinheiro argumentou que se houver fatos novos e ainda uma defesa consistente - no contrato de parceria público-privada para o gerenciamento e manutenção da iluminação pública de Cuiabá -, capaz de demonstrar que as irregularidades apontadas pela Secretaria de Gestão e pelo Tribunal de Contas do Estado, possam ser sanadas, ele poderá rever seu cancelamento.

 

Pautado em auditoria do TCE, que apontou irregularidades no processo licitatório da PPP, o gestor peemedebista anulou no final de junho, a licitação da contratação do consórcio Cuiabá Luz S/A, que teria um custo aos cofres de R$ 712 milhões.

 

Em uma reviravolta jurídica, no último dia 21 de julho, a Justiça determinou a suspensão do cancelamento, por meio de mandado de segurança pleiteado pelo consórcio. O juiz Márcio Aparecido Guedes, da 2ª Vara Especializada em Fazenda Pública da Capital, entendeu que o consórcio não teve o direito de se defender antes do decreto de anulação. 

 

Ainda que não seja uma decisão de mérito, mas judicial, a empresa certamente ganhou fôlego e, sobretudo, tempo para apresentar uma boa argumentação em sua defesa.  

 

De acordo com Pinheiro, após decisão da Justiça ele vai esperar a defesa. Mas, adianta, que precisa ser provado que as irregularidades foram sanadas, senão o contrato, vaticina o prefeito, será cancelado definitivamente. “Se não tiver nada de novo, com certeza vou reeditar o decreto e vou cancelar a PPP”, concluiu.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia