Cuiabá, 22 de Maio de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 14 de Abril de 2017, 13:31 - A | A

14 de Abril de 2017, 13h:31 - A | A

POLÍTICA / HÁ 21 ANOS

Servidor entra na mira do TCE por acumular cargos no Estado e prefeitura

Da Redação



IFoto: TCE-MT)

TCE-MT 2.jpg

 

O servidor público Adjane da Silva Prado, que por 21 anos acumula, supostamente, de forma ilegal cargos  em órgãos públicos, entrou na mira do Tribunal de Contas do Estado. O TCE determinou que a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e a Prefeitura de Cuiabá instaurem procedimento administrativo contra o funcionário.

 

Segundo ação, Adjane ocupa desde 1992, o cargo de agente de regulação e fiscalização na Secretaria Municipal de Ordem Pública de Cuiabá. E estaria ocupando, desde 04 de outubro de 1995, o cargo de Técnico de Nível Superior em Serviços de Saúde do SUS na SES/MT, totalizando assim 60 horas semanais.

 

O ex-secretário de Saúde do Estado, Eduardo Bermudez, foi notificado para apresentar defesa, limitando-se apenas a encaminhar cópia da declaração de não acúmulo de cargos apresentada por Adjane da Silva Prado no ato de posse no cargo na Secretaria, ocorrido em 04 de outubro de 1995.

 

A situação do servidor já teria sido notificada ao ex-prefeito, o socialista Mauro Mendes e, na época, como Bermudez, apresentou cópia da declaração de não acúmulo de cargos entregue pelo servidor no ato de sua posse na Prefeitura, em 26 de fevereiro de 1992.

 

Ainda teria informado que foi determinado a instauração de procedimento administrativo para apurar a ilegalidade e solicitado providências junto à Corregedoria da Secretaria Municipal de Ordem Pública.

 

Já o servidor Adjane da Silva argumenta que ingressou no serviço público antes da Constituição de 1988, podendo assim, acumular os cargos. E disse que há aproximadamente dois anos, recebeu notificação da Corregedoria Geral do Estado (CGE/MT), para se manifestar acerca de eventual ilegalidade no acúmulo de cargos, e que, após apresentar suas razões, não mais foi interpelado, concluindo o servidor que o exercício de ambos os cargos seria lícito.

 

Também apontou que os cargos ocupados possuem carga horária compatível, limitada ao total de 60 horas semanais, sem que um infringisse no bom desempenho do outro.

 

O relator da representação, conselheiro José Carlos Novelli, não acatou os argumentos apresentados por Adjane da Silva e o condenou ao pagamento de multa no valor de R$ 782,22 pela acumulação do cargo.

 

Novelli determinou que o atual secretário de Saúde do Estado, Luiz Soares e o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), instaurem procedimento administrativo, com o fim de cessar o acúmulo ilegal de cargo por parte do servidor, e que seja encaminhado o resultado da mesma ao TCE no prazo de 60 dias, a contar da decisão com trânsito em julgado.

 

Além disso, o conselheiro recomendou que Emanuel Pinheiro adote providências para retificação do cargo de agente fiscal de obras para a nova nomenclatura de agente de regulação e fiscalização, obedecidas as exigências da Resolução Normativa nº 03/2015.

 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia