Cuiabá, 13 de Julho de 2024

POLÍTICA Segunda-feira, 26 de Novembro de 2018, 09:27 - A | A

26 de Novembro de 2018, 09h:27 - A | A

POLÍTICA / AÇÃO DE FAGUNDES

TRE nega suspender multa de R$180 mil a Taques por propaganda irregular

Da Redação



Foto: (Reprodução/Web)

pEDRO tAQUES

 

O desembargador do Tribunal Regional Eleitoral, Márcio Vidal, negou a continuação do recurso especial ingressado pelo governador Pedro Taques (PSDB) e pela coligação ‘Segue em Frente Mato Grosso’ para suspender a aplicação de uma multa de R$ 180 mil devido a vinculação de uma propaganda que foi considerada irregular.

 

A coligação ‘A Força da União’ do senador e então candidato Wellington Fagundes (PR), ingressou com uma ação alegando que o tucano, candidato à reeleição à época, teria compartilhado publicações citando o PRTB em suas redes sociais. O partido foi excluído do arco de aliança da coligação de Taques após entendimento do Pleno do TRE.

 

Porém, as defesas do tucano e da coligação acreditam que a decisão não deve prosperar, pois o conteúdo publicado na página da rede social de Taques teria ocorrido antes da sentença.

 

“É incontroverso nos autos que a postagem questionada, que continha o nome da sigla PRTB foi realizada antes da decisão que determinou sua exclusão da Coligação ora recorrente. Ou seja, a postagem foi realizada conforme o que preceitua a legislação eleitoral, constando então o nome de todos os partidos que compunham a coligação”, afirmou.

 

Os advogados ainda pontuam que a multa imposta deve ser proporcional à obrigação determinada, uma vez que a simples imposição do valor de R$ 10 mil por dia de descumprimento, já se mostra excessiva e desproporcional, o que fica ainda mais evidente quando considerado o valor global da sanção, que atingiu o patamar ‘absurdo’ de R$180 mil.

 

Contudo, as defesas requerem que seja dado provimento ao recurso especial eleitoral para reformar a decisão da Corte Regional e afastar a penalidade de multa imposta, ou ao menos para que se reduza, adequando-a aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade.

 

No entanto, o desembargador ao negar o pedido explicou que as postagens das propagandas ocorreram antes da decisão que determinou a exclusão do PRTB, o que não justifica o descumprimento da ação judicial anterior que determinou a retirada sob pena de multa de R$ 10 mil para dia.

 

“Em outras palavras, embora as propagandas tenham sido produzidas e postadas em conformidade com a legislação eleitoral, isso não garante aos representados, ora recorrentes, o direito de continuar veiculando-as após decisão judicial que expressamente determinou suas exclusões, uma vez que se tornaram irregulares por mencionarem partido excluído da coligação”, ressaltou.

 

O magistrado ainda pontuou que não há que se falar em afronta por suposta incompatibilidade com a obrigação e valor excessivo da multa, pois, o valor de R$ 10 mil por dia de descumprimento é razoável e proporcional aos recursos de campanha recebidos pelos representados e o montante só alcançou R$ 180 mil porque os representados insistiram no descumprimento da decisão judicial por nove dias.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia