Cuiabá, 22 de Fevereiro de 2020

POLÍTICA
Sábado, 25 de Janeiro de 2020, 10h:43

"REAJUSTE INJUSTIFICÁVEL"

Governo diz que aumento no preço do etanol "não tem nada a ver" com lei de incentivos fiscais

Única News
Da Redação

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O Governo Mauro Mendes (DEM) emitiu uma nota esclarecendo que o aumento no preço do etanol em Mato Grosso, 'nao tem nada a ver com a lei dos incentivos fiscais'.

A Lei Complementar 631/19, que trata dos incentivos fiscais no Estado, entrou em vigor no dia 1º de janeiro deste ano, aprovada no ano passado. 

Segundo o Governo, pesquisas feitas pela Agência Nacional de Petróleo-ANP apontam que, em dezembro de 2019, o preço médio do etanol praticado em Mato Grosso estava em R$ 2,91. Atualmente, o combustível está sendo comercializado em alguns postos por até R$ 3,20.

De acordo com dados da Secretaria de Fazenda, com a LC 631/19, a alíquota do ICMS passou de 10,50 para 12,50%, ou seja, um acréscimo de 2,5%.  

Dessa forma, se o etanol era vendido a R$ 2,91, no mês passado, com a nova porcentagem, deveria ter um acréscimo máximo em torno de, R$ 0,06, custando em torno de R$ 2,97. 

Vale destacar que alíquota do ICMS para o etanol é de 25%. Porém, para garantir que o produto de Mato Grosso possa concorrer com outros mercados, o governo fornece um incentivo de 50%, fixando a alíquota em 12,5%.

Sobre essa questão, o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, reforçou que o reajuste nos preços do etanol não possui relação com a entrada em vigor da Lei complementar 631/19.

"No dia 31 de dezembro com as mudanças nas regras do ICMS, até hoje, 23 de janeiro, o impacto seria de R$ 0,06 na bomba.

Contudo, os postos estão aplicando 20 centavos, acima efetivamente do que está proposto na nova alíquota. Ou seja, temos visto aí na bomba, o etanol sendo cobrado a R$ 3,17. Mas é preciso entender que esta elevação, de R$ 2,91 para R$ 3,17, aplicadas aos preços, são regras de mercado e não tem como o governo discutir, pois isto é livre concorrência. Neste caso, é o consumidor que deve buscar outra alternativa, como forma de pressão", explicou Rogério Gallo, em entrevista ao programa Chamada Geral, na Rádio Mega FM.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE