Cuiabá, 22 de Maio de 2024

RADAR NEWS Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017, 14:49 - A | A

14 de Dezembro de 2017, 14h:49 - A | A

RADAR NEWS / ESQUEMAS CRIMINOSOS

Riva nega boatos de colaboração premiada com a PGR

da Redação



(Foto: TJ-MT)

Riva-preso.jpg

 

Após o ex-presidente da Casa de Leis, José Riva, ter seu escritório como alvo de busca e apreensão em mais uma fase da operação Ararath e prestar depoimento no Legislativo, na CPI do MPE, sobre as negociações das Cartas de Crédito, o parlamentar afirmou à imprensa que boatos de uma colaboração premiada não são verdadeiros.


“Eu vi muitas colaborações, e se a minha ocorrer, será sem trauma e sem nenhuma carga nos ombros de quem não deve. Acho que no momento estou confortável em relação ao rumo que eu escolhi”, afirmou o ex-deputado ao sair da CPI do MPE.


Os boatos começaram em setembro, quando a revista Veja assegurou que a delação de Riva iria mostrar mais de R$ 100 milhões em suborno. Conforme o Radar do colunista, Gabriel Mascarenhas, ao assinar o acordo com a Procuradoria Geral da República (PGR), Riva teria entregue até recibos de pagamento de suborno a deputados estaduais.


Riva responde a 107 ações na Justiça pelos crimes de peculato, improbidade administrativa e corrupção. Ele foi preso pela primeira vez em 2014 durante a operação Ararath, em Cuiabá.


Na Ararath, o ex-parlamentar é acusado de ter sido beneficiado por um banco clandestino, operado pelo empresário Gércio Marcelino Mendonça Júnior, mais conhecido como Júnior Mendonça.


Nesta quarta-feira (13), a Polícia Federal (PF) deflagrou mais uma fase da operação, e cumpriu um mandado de busca e apreensão, no escritório de Riva, na Capital.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia