Cuiabá, 13 de Julho de 2024

SOCIAL Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2019, 08:57 - A | A

26 de Fevereiro de 2019, 08h:57 - A | A

SOCIAL / VAI LÁ CONFERIR!

A Barbearia Café Bar está com novidades para quem gosta de Tatuagem



TATU FOTO 01.jpg

 

Tatuagens são sentimentos além da pele. Para mim, meu caro, ela é muito mais: é a forma mais eficaz de me virar do avesso e trazer à tona, à superfície do meu corpo, aquilo que inunda o meu interior e ricocheteia feito bala em minhas profundezas, entre minhas tripas e trapos, pedindo-me, diariamente, permissão para sair, para desentranhar, para transbordar, para ser exposto a quem quiser vê-lo e, principalmente, ao espelho, tornando-se, assim, um reflexo-lembrete do que eu sou de fato, sob a roupa, sob a minha total nudez, inclusive.

Não se trata apenas da tinta que – com a ajuda de uma agulha frenética – pinga corpo adentro. Trata-se, principalmente, de sentimentos, valores, crenças e lembranças que imploram para serem jorrados (as) coração e cérebro afora; que suplicam para serem transformadas na arte que comigo envelhecerá, desbotará, enrugará, morrerá e, finalmente, servirá de pão às larvas sempre famintas por um novo the end.

“Mas por que materializá-las em seu corpo e não em um quadro ou em uma camiseta, por exemplo?”, alguém certamente me perguntará. Respondo: certas coisas são tão importantes que precisam ser carregadas comigo, todos os dias, religiosamente, sem que exista o mínimo risco de serem roubadas por um ladrão sorrateiro, extintas por um incêndio provocado pelo vizinho descuidado do andar de baixo, esquecidas em um assento enferrujado de trem ou confiscadas por um oficial da alfândega mal-humorado. Compreende o meu ponto? Compreende as minhas linhas e rabiscos permanentes? Quer um exemplo real? Em meu peito, meu caro, eu carrego a frase “still alive” – ainda vivo – para nunca me esquecer de que, nesta vida, sem que aviso prévio ou tempo para um poema de despedida, reticências podem virar um definitivo ponto final. Finaliza Publicações de Ricardo Coiro.

Você me entende? Não? Tudo bem. Eu respeito o fato de você pensar de maneira diferente da minha e de não ter a menor vontade de tatuar o seu corpo. Só lhe peço uma coisa: por favor, não me ache menos valioso do que aqueles que não possuem tinta na pele, afinal, você provavelmente não é como as pessoas que, de tão rasas, só têm superfície; ou é oco a esse ponto?

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia