Cuiabá, 29 de Maio de 2024

VOLTA AO MUNDO Sexta-feira, 29 de Setembro de 2017, 11:18 - A | A

29 de Setembro de 2017, 11h:18 - A | A

VOLTA AO MUNDO / MUNDO

EUA ordenam saída de parte dos diplomatas e funcionários de embaixada em Cuba após ataques sônicos

A ordem, anunciada pelo Departamento de Estado, contempla também a suspensão da emissão de vistos na embaixada em Cuba de maneira indefinida

Por G1



(Foto: Desmond Boyland/AP Foto)

Embaixada dos Estados Unidos em Havana

 

Departamento de Estado dos Estados Unidos ordenou saída de cerca de 60% dos diplomatas e funcionários da representação do país em Cuba após ataques sônicos, segundo a Associated Press. De acordo com a CNN, a medida também atinge as famílias de diversos funcionários considerados 'não essenciais' pelo governo norte-americano.

 

A ordem, anunciada nesta sexta-feira (29) pelo Departamento de Estado, contempla também a suspensão da emissão de vistos na embaixada em Cuba de maneira indefinida, de acordo com funcionários americanos citados sob anonimato pela CNN e pela CBS.

 

A decisão é um golpe aos laços, já fragilizados, entre os Estados Unidos e Cuba. Os dois países deixaram as hostilidades para trás no fim de 2014, ainda na administração de Barack Obama.

 

Os EUA também devem lançar, nas próximas horas, uma advertência de viagem, ainda que os ataques sônicos não tenham atingido nenhum turista norte-americano, mas tenham sido supostamente registrados em hotéis da ilha.

 

Por enquanto, de acordo com a Associated Press, o país não vai determinar que os diplomatas cubanos saiam de Washington, outra medida que, de acordo com funcionários do governo, foi considerada.

 

A decisão final foi determinada pelo secretário de Estado, Rex Tillerson, que está em viagem para a China. Junto com o presidente dos EUA, Donald Trump, Tillerson revisou as opções sobre o que fazer com a embaixada no começo da semana.

 

 

 

Os ataques

 

 

Quase um ano depois que diplomatas americanos alocados em Havana reportaram problemas de saúde, os investigadores americanos seguem sem saber quem está por trás dos ataques, que afetaram pelo menos 21 diplomatas e suas famílias. Ainda que tenham sido qualificados pelo Departamento de Estado como "incidentes", funcionários do governo já tratam a questão como "ataques específicos".

 

Os sintomas dos ataques variam aplamente de pessoa para pessoa. Além de perda de audição e lesões graves no cérebro, alguns pacientes também apresentaram náuseas, dores de cabeça e zumbido no ouvido. De acordo com uma investigação da Associated Press, alguns afetados pelo ataque agora sofrem dificuldades de se concentrar e lembrar palavras comuns.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia