Cuiabá, 29 de Maio de 2020

VOLTA AO MUNDO
Domingo, 05 de Abril de 2020, 09h:25

PANDEMIA

Secretário diz que quem pega coronavírus desenvolve imunidade: "Não existe nenhuma comprovação de que possa ter uma reinfecção"

(Foto: Reprodução/GloboNews)

Em entrevista coletiva neste sábado (4) no Palácio do Planalto para apresentar o mais recente balanço sobre o avanço da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) no Brasil, o Secretário-Executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou que as pessoas que pegam Covid-19 desenvolvem imunidade à doença.

Ele também defendeu a aplicação de testagem maciça no país para, no futuro, liberar a circulação de quem não tiver mais a possibilidade de se infectar novamente.

Na apresentação – na qual não esteve presente o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta –, o secretário disse que "vamos ter uma parte da população que já vai estar com anticorpos e pode circular livremente pela sociedade" (veja, abaixo, outros destaques da coletiva).

"Essa parte da população já não vai ter mais possibilidade de transmitir a doença – e não existe, até o momento, nenhuma comprovação de que possa ter uma reinfecção. Somos favoráveis a isso. Eu não sabia desse termo ['passaporte imunológico'], mas é o que estamos esperando. Elas [as pessoas] não vão nem adquirir nem transmitir a doença."
O termo "passaporte imunológico" havia sido mencionado na pergunta que motivou o comentário de Gabbardo. Era uma referência a uma ideia citada mais cedo neste sábado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em videconferência com empresários do setor varejista organizada pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL).

Na ocasião, Guedes afirmou: "Hoje de manhã conversávamos com um amigo na Inglaterra que criou o passaporte de imunidade. Ele faz 40 milhões de teste. Ele coloca disponíveis para nós, brasileiros, 40 milhões de testes por mês".

Segundo Guedes, a proposta já foi encaminhada ao presidente Jair Bolsonaro e aos ministros Walter Souza Braga Netto (Casa Civil) e Mandetta.

Gabbaro disse ser "totalmente favorável" à proposta do ministro da Economia. "Os testes rápidos vão servir para isso. Queremos que o profissional de saúde, se ele estiver doente, se ele estiver com sintomas, ele pode sair do isolamento um pouco mais cedo, se a gente tiver a confirmação de que ele está com segurança imunológica para sair de casa e voltar para o trabalho", explicou.

O secretário também disse que "86% [dos infectados] não vão ter sintomas, mas todo mundo vai ter contato".

"O vírus vai se transmitir, e a gente imagina que pelo menos 50% das pessoas vão ter tido contato e vão criar imunização. Isso vai diminuir capacidade de transmissão, vai acontecer lentamente. O fluxo só reduz quando tem 50% das pessoas já imunizadas. Imaginar que, se ficar numa bolha sem contato com ninguém, não teríamos o vírus... Mas, no dia em que sairmos da bolha, vamos ter o vírus", afirmou Gabbardo.
"86% nem vai saber que teve. Isso deixa de existir quando a gente tiver vacina, com imunidade natural adquirida e imunidade por vacina. Hoje queremos transmissão com velocidade baixa para que equipamentos de saúde possam dar conta. Tem outra variável aí que é o tratamento."

'O mundo corre atrás de testes'
"O mundo todo corre atrás de testes, e tem testes com qualidade diferentes. Não adianta adquirir um que não tenhamos condição de ter segurança sobre os resultados. Recebemos doação grande, mas os testes têm que ser aprovados pelo nosso instituto de qualidade antes de ser colocado à disposição", afirmou Gabbardo.

Ele reconheceu que "nós ainda não estamos com a quantidade tão grande de testes como gostaríamos.

"[Mas] se nós compararmos com outros países, nenhum teve o crescimento de casos acompanhado da testagem que nós estamos implementando no Brasil. O Brasil certamente vai ser o país que, quando tivermos aumento de casos, vai ter a maior quantidade de testagem entre todos os países com os quais estamos nos comparando. Estamos nos preparando muito, não só com equipamentos, não só com pessoas – também com testes."
Importância do isolamento social
O secretário disse que o Ministério da Saúde quer "iniciar embate com coronavírus diferente dos outros países".

"Nenhum se preparou tanto quanto o Brasil, tivemos sorte pra nos preparar da melhor forma possível, outros países não tiveram esse tempo. A grande maioria dos hospitais hoje estão vazios", afirmou Gabbardo.

"Isolamento [é] importante porque queremos estar o mais fortes possível. Vai acontecer contaminação, evolução. Se ficarmos em casa um ano sem contato com casos, quando sairmos vamos ter contato. Redução só acontece quando estivermos imunizados. Hoje, a única maneira é ter tido contato", disse o secretário.
"Idosos não ficarão imunes a vida inteira. Quando saírem de casa, vão ter contato e ficarão doentes. O que não queremos é todo mundo doente ao mesmo tempo."

'Aceleração descontrolada'
Um relatório do Ministério da Saúde divulgado nesta sexta-feira (3), informou que quatro estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas) e o Distrito Federal podem estar em transição de fase epidêmica do novo coronavírus, passando de transmissão localizada para aceleração descontrolada da pandemia.

Na apresentação deste sábado, Gabbardo comentou essa mudança. "Estamos adotando medidas, reduzindo cirurgias eletivas. Os cinco em que nós estamos percebendo que essa transição para aumento maior de casos nas próximas semanas", afirmou.

"Já prevíamos desde o início, são estados em que há uma relação de viagens internacionais maior. A gente espera que não continue sendo assim. A gente sabe que, quando começar o inverno, a tendência é uma migração [da epidemia] para a região Sul. Quando começar o frio, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina vã começar a apresentar maior número de casos e vão nos preocupar mais."

Taxa de letalidade deve cair no Brasil


Gabbardo afirmou que a curva de expansão dos casos de coronavírus no Brasil está "tranquila, abaixo das curvas de crescimento da Espanha, Itália, Estados Unidos nesse período do caso 100 até hoje".

O secretário comentou ainda o aumento recente da taxa de letalidade da Covid-19 no país.

"A letalidade ter aumentado tem muito a ver com a quantidade de testes que a gente vai fazer. Possivelmente, nas próximas semanas com acréscimo na testagem, há uma tendência de reduzir taxa de letalidade. A partir da próxima semana, vamos aumentar testagem, e a letalidade vai reduzir."
Contaminação maior em jovens no Brasil
"O percentual [de mortes] no Brasil é um pouco maior que em outros países entre os jovens. Não sabemos explicar por que isso acontece, mas não é número relevante, que nos surpreenda", explicou o secretário.

Ausência de Mandetta

De acordo com Gabbardo, a ausência de Mandetta da coletiva se deveu ao fato de não haver outros ministros na apresentação.

"Nesta semana, a mudança para Planalto teve intenção superpositiva, em função disso o ministro esteve em todas", explicou o secretário, referindo-se à alteração de procedimento adotada pela pasta. Antes divulgados no próprio Ministério da Saúde, os balanços sobre coronavírus passaram a ser anunciados no Palácio do Planalto a partir de segunda-feira (30).

Já neste sábado, Gabbardo disse: "Hoje, como não havia essa necessidade, porque não haveria outros ministros, e também para que ele [Mandetta] possa descansar um pouco mais. Deve estar aproveitando esse tempo para ler".

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


MATÉRIA(S) RELACIONADA(S)




VÍDEO PUBLICIDADE