Cuiabá, 19 de Setembro de 2019

POLÍTICA
Sexta-feira, 26 de Julho de 2019, 15h:04

SINTEP DENUNCIOU

Trabalhadores da educação acampados na Assembleia são impedidos de almoçar

Euziany Teodoro
Única News

JL Siqueira/ALMT

Os trabalhadores da Educação estadual, que estão acampados na Assembleia Legislativa desde terça-feira (23) em busca de uma solução para a greve, que já dura 60 dias, foram impedidos de almoçar pela guarnição da Polícia Militar que acompanha o protesto.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Mato Grosso (Sintep-MT), Valdeir Pereira, até o momento da denúncia, feita às 13h55 desta sexta-feira (26), os grevistas ainda não tinham conseguido se alimentar, situação que tentam resolver desde o meio-dia.

“Os companheiros que estão no auditório da Assembleia estão sem almoço até esse horário, às 13h55, apesar do documento assinado pela Casa dizendo que não haveria nenhum impedimento, mas neste instante ainda estão aqui sem permissão para comer”, afirma o presidente.

Somente depois das 14 horas os servidores puderam sair do auditório e descer ao térreo para comer. Valdeir lembra que os deputados estaduais assinaram um documento que dá garantias a boas condições aos grevistas enquanto estiverem acampados na Assembleia.

“Estamos buscando conversar junto à presidência da casa e os deputados que assinaram o documento, assegurando de que não seríamos impedidos e que as condições não seriam prejudicadas e, até agora, sem nenhum sucesso para garantir que as pessoas possam vir a se alimentar, que é uma questão básica”.

Os professores estão em greve desde o dia 27 de maio, em busca de pagamento de aumento salarial de 7,69%, previsto na Lei da Dobra Salarial, nº 510/2013, assim como o pagamento do Reajuste Geral Anual (RGA) e melhores condições de trabalho.

A queda de braços já dura dois meses. O governo afirma não poder pagar qualquer momento devido aos problemas financeiros enfrentados pelo Executivo e, endossado por decisão judicial, está cortando o ponto dos trabalhadores que não estão dando aulas.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE