Cuiabá, 25 de Junho de 2024

ARTIGOS/UNICANEWS Terça-feira, 30 de Abril de 2024, 16:40 - A | A

30 de Abril de 2024, 16h:40 - A | A

ARTIGOS/UNICANEWS / JAMILSON HADDAD

Raízes culturais do antropocentrismo na sociedade e sua relação com a violência doméstica

Única News



A questão da violência doméstica é um fenômeno complexo e multifacetado que afeta milhões de mulheres em todo o mundo, sendo alvo de diversas pesquisas que buscam identificar os fatores de risco associados ao surgimento de agressões físicas, verbais ou sexuais. Esta discussão levanta uma questão crucial: a violência doméstica pode ter origens evolutivas?

Dentre os diversos fatores que contribuem para essa realidade alarmante, um aspecto crucial que merece ser explorado é o antropocentrismo e sua influência nas dinâmicas de desigualdade de gênero e violência contra as mulheres no ambiente doméstico.

No estudo abrangente realizado com o povo Tsimané, uma comunidade indígena do departamento de Beni, Bolívia, foi analisada o uso estratégico da violência pelos homens como uma forma de aumentar seu sucesso reprodutivo. Isso levanta questões sobre a persistência de comportamentos prejudiciais ao longo da evolução, como o altruísmo, que apesar de envolver sacrifícios individuais, continua presente em várias sociedades.

De acordo com as observações feitas pelo autor Rodrigo Freitas Palma, a Antropologia teve sua origem em um contexto de colonialismo, em que os povos não ocidentais estavam subjugados às conquistas e expansões territoriais das potências europeias nos séculos anteriores. Isso reflete a abordagem das potências dominantes de "melhor conhecer para com mais eficácia dominar.

O antropocentrismo, como visão que coloca o ser humano no centro de todas as coisas, influencia profundamente nossa forma de interagir não apenas com o meio ambiente, mas também com outros seres humanos. Quando aplicamos essa visão de forma desequilibrada e hierárquica às relações de gênero, podemos observar como ela contribui para a desigualdade e a violência contra as mulheres no ambiente doméstico.

Em um contexto antropocêntrico, a tendência é enxergar o mundo e os relacionamentos de forma hierárquica, com uma posição dominante (ou superior) atribuída aos seres humanos, especialmente aos homens, em relação às mulheres e outras formas de vida. Essa hierarquia é frequentemente sustentada por noções de poder, controle e supremacia que são socialmente construídas ao longo do tempo.

Dentro do ambiente doméstico, essa visão hierárquica pode se manifestar de várias maneiras, desde a simples atribuição de papéis tradicionais de gênero até formas mais extremas de abuso e violência. A desigualdade de gênero, muitas vezes enraizada em normas culturais e sociais, pode ser perpetuada e até mesmo legitimada por essa visão antropocêntrica que valoriza mais os interesses, desejos e necessidades dos homens em detrimento das mulheres.

Quando aplicado à dinâmica de gênero, o antropocentrismo muitas vezes perpetua uma estrutura de poder desigual, na qual os homens são posicionados como superiores e detentores de autoridade sobre as mulheres. Isso pode levar a situações em que a voz, a autonomia e os direitos das mulheres são sistematicamente desconsiderados, resultando em formas de violência psicológica, emocional, física e sexual, onde o controle sobre a mulher é justificado pela suposta superioridade masculina.

Além disso, o antropocentrismo também pode afetar a percepção das mulheres como "propriedade" ou "objetos" dos homens, contribuindo para uma cultura de objetificação e desvalorização das mulheres como indivíduos autônomos e dignos de respeito.

Portanto, ao refletir sobre a relação entre antropocentrismo e violência doméstica contra as mulheres, é crucial questionar e desafiar essa visão hierárquica e desigual que coloca o ser humano no centro de tudo, mas apenas alguns seres humanos em detrimento de outros. Uma abordagem mais equitativa e inclusiva, que reconheça e respeite a igualdade de direitos, autonomia e dignidade de todas as pessoas, é essencial para vencer a desigualdade de gênero e construir relações familiares e sociais mais saudáveis e justas.

Referências:

https://www.publico.pt/2018/08/08/ciencia/noticia/a-violencia-domestica-podera-estarassociada-ao-numero-de-filhos-nos-tsimane-sim-1840238#google_vignette [1]

PALMAS, Rodrigo Freitas. Antropologia Jurídica. São Paulo: Saraiva Educação, 2019. E-book.

https://www.alamedaeditorial.com.br/livrosalameda/tsimane#:~:text=Os%20Tsimane%20s%C3%A3o%20um%20povo,Mamor%C 3%A9%2C%20mais%20conhecido%20dos%20brasileiros. https://www.scielo.br/j/mana/a/tRYDbBv8ZQf9SJmpvSywtjb/

*Autor: Jamilson Haddad Campos – Juiz de Direito do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia