Cuiabá, 17 de Junho de 2024

JUDICIÁRIO Quinta-feira, 02 de Maio de 2024, 17:33 - A | A

02 de Maio de 2024, 17h:33 - A | A

JUDICIÁRIO / GOLPE DO FALSO ADVOGADO

“Golpistas agem no emocional das vítimas”, alerta presidente da OAB de Mato Grosso

Gisela Cardoso falou sobre novo golpe, destacando que quadrilhas agem de fora do estado na prática criminosa.

Ari Miranda
Única News



Em entrevista ao Podcast Política & Política (Tv Única), Gisela Cardoso, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), fez um alerta à população sobre o “golpe do falso advogado”, novo crime em andamento e que já fez várias vítimas no Estado.

De acordo com Gisela, a prática criminosa tem se tornado cada vez mais frequente e preocupante em todo o país, uma vez que nomes de profissionais, escritórios de advocacia e logomarcas acabam sendo usados pelas quadrilhas para enganarem os clientes. Segundo a presidente da OAB, os golpistas, em sua maioria, possuem suas bases de atuação em outros estados.

“Utiliza-se uma foto de um advogado, um contato ou de uma rede social, se identificam com um advogado e com um processo de uma ação judicializada. Aí ele se identifica como o advogado: ‘Olha, aqui é o doutor ‘fulano’, a doutora ‘fulana’, o seu processo já está finalizando, você vai receber ‘tantos’ mil, mas para isso precisa pagar ‘tanto’ de custos’[sic]”, disse Gisela.

Além disso, Gisela ressaltou que as quadrilhas do golpe do falso advogado agem de forma extremamente orquestrada e com núcleos distintos na execução do crime.

“(...) os processos [judiciais] são públicos. Aí hoje com o processo eletrônico, esses dados, processos, eles estão na internet. Então, muitas vezes, esses bandidos conseguem acesso através de publicações no Diário de Justiça, que é público também, então aí sai ali o nome da pessoa com uma decisão ou outra”, explicou.

“Eles [criminosos] fazem essa identificação e conseguem, às vezes no próprio processo, o contato da pessoa, para chegar até ela. E a organização criminosa, eles são realmente organizados, eles têm pessoas infiltradas, tem pessoa que faz só isso, que identifica o processo e já passa para uma outra, que vai criar a conta bancária [para receber o dinheiro das vítimas]. Então é algo realmente organizado para prejudicar, para dar o golpe na população”, enalteceu.

Para evitar transtornos e coibir a ação dos golpistas e quadrilhas, bem como preservar a integridade dos advogados de todo o estado, Gisela Cardoso afirmou que a Ordem dos Advogados de Mato Grosso tem atuado contra a prática ilegal, com a criação de campanhas nos meios de comunicação e de um canal direto com a Polícia Civil de Mato Grosso, no intuito de defender tanto os juristas do estado, quanto os seus clientes.

“Tivemos várias reuniões com os delegados responsáveis pelo caso. Há um procedimento de investigação já bem avançado pelo que nós temos recebido as informações. A maioria desses contatos partem de fora do estado e a gente tem orientado a todos os advogados que têm conhecimento que o seu escritório, que o seu nome está sendo utilizado para isso, que eles informem também a polícia ou em caminho para o OAB, que nós temos esse link com a polícia para encaminhar”, garantiu.

AGINDO NAS EMOÇÕES

Conforme a presidente da OAB-MT, as quadrilhas acabam “fisgando” suas vítimas pelo lado emocional, uma vez que muitas delas já estão com processos em tramite na Justiça há algum tempo e, na ansiedade por uma resposta positiva, acabam caindo na armadilha posta pelos criminosos.

“Você vê que até é pouco lógico [o golpe]: ‘Olha, você vai receber 30 mil do seu processo, mas para isso você precisa pagar uma custa de dois [mil]’. Ora, se eu tenho 30 para receber, desconte os dois dos honorários, não é mesmo? Mas a pessoa às vezes está tão ansiosa pelo fim daquele processo, que está há anos correndo e a pessoa se anima com a possibilidade de receber o dinheiro que as vezes pede dinheiro emprestado, arruma onde não tem. Eles [bandidos] acabam agindo no emocional da pessoa, com a ansiedade, com essa fragilidade de um jurisdicionado que já está três, quatro anos esperando uma resposta”, enfatizou Gisela.

“Então, fica mais uma vez o alerta a toda a população: se receber qualquer mensagem, qualquer ligação de criminosos, procure o teu contato direto com o seu advogado. Se for possível, vá até o escritório ou faça o contato com aquele telefone que você já falou com ele [advogado]. Não caia no golpe, não seja mais uma vítima desses golpistas”, pontuou.

VEJA ABAIXO A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA:

 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia