Cuiabá, 19 de Junho de 2024

POLÍTICA NACIONAL Sexta-feira, 17 de Maio de 2024, 12:46 - A | A

17 de Maio de 2024, 12h:46 - A | A

POLÍTICA NACIONAL / VOLTA DO DPVAT

Lula aprova cobrança, mas com veto; entenda como vai ficar para o motorista

InfoMoney
Lorena Matos



O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou o projeto de lei complementar que recria o Seguro de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, mais conhecido como DPVAT, extinto durante o governo de Jair Bolsonaro.

O seguro passará a se chamar SPVAT (Seguro Obrigatório para Proteção de Vítimas de Acidente de Trânsito) e vai indenizar em caso de morte, invalidez permanente, total ou parcial e reembolso de despesas com assistência médica, serviço funerário e reabilitação de vítimas.

O valor anual do imposto ainda não foi definido, no entanto, a estimativa é que fique entre R$ 50 e R$ 60.

Por outro lado, a sanção veio acompanhada de veto em dois artigos que definiam como infração grave o não pagamento no prazo estipulado, com uma multa de R$ 195,23. Lula justificou que o veto se deve a contrariedade ao interesse público, ao acarretar ônus excessivo pelo não pagamento.

“Ressalte-se que o Projeto de Lei Complementar já prevê a obrigatoriedade de quitação do prêmio do SPVAT para fins de licenciamento anual, de transferência de propriedade e de baixa de registro de veículos automotores de vias terrestres”, diz.

O veto de Lula será votado pelo Congresso Nacional, em sessão conjunta de deputados e senadores. Se for derrubado, a penalidade será inserida na lei.

Entenda a volta do DPVAT

O DPVAT foi criado em 1974 e o seu objetivo era indenizar vítimas de acidentes de trânsito, sejam elas motoristas, passageiros e pedestres, ou seus beneficiários em caso de morte. Ele deveria ser pago obrigatoriamente junto com o Imposto sobre a propriedade de veículos automotores (IPVA) por todos os proprietários de veículos.

Com a nova regulamentação sancionada pelo presidente, será possível voltar a cobrar o seguro de proprietários de carros e motos.

Caixa Econômica Federal cuidará da gestão do fundo e pagará as indenizações. Desde 2021, o banco já opera de forma emergencial o seguro após a dissolução do consórcio de seguradoras privadas que administrava o antigo DPVAT.

Segundo o governo, a volta da cobrança é necessária porque os recursos do antigo DPVAT disponíveis não são capazes de suportar mais um ano.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia