Cuiabá, 18 de Setembro de 2019

RADAR NEWS
Segunda-feira, 10 de Junho de 2019, 10h:32

MOVIMENTO ILEGAL

Prefeitura de Cuiabá repudia paralisação dos motoristas de transporte coletivo

Elloise Guedes
Única News

(Foto: Luiz Alves)

A Prefeitura de Cuiabá emitiu nota de repúdio, na manhã desta segunda-feira (10), contra a paralisação surpresa dos motoristas de transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande, que teve início na madrugada de hoje.

Segundo a Prefeitura, o movimento é ilegal, uma vez que acontece sem o aviso prévio de 72h estabelecido por lei. Cerca de 270 mil usuários ficaram sem locomoção nesta segunda-feira, já que a paralisação dos motoristas é de 100%.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários da Baixada Cuiabana (Sintrobac), os motoristas cobram um acordo salarial.

Veja a nota de repúdio da Prefeitura de Cuiabá na íntegra:

- Repudia a paralisação surpresa dos motoristas. O movimento é ilegal, uma vez que acontece sem o aviso prévio de 72h estabelecido por lei;

- O transporte público é um serviço essencial e também um direito social, portanto, 30% da frota deveria ser mantida em circulação;

- O prefeito Emanuel Pinheiro determinou que o secretário Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Antenor Figueiredo, se reúna com representantes do sindicato dos Motoristas e das empresas para buscar uma solução para o retorno do transporte coletivo imediatamente;

- O prefeito também estranha a paralisação neste momento, logo após a o lançamento do edital de licitação do transporte coletivo, procedimento que não era realizado há 17 anos e que vai modernizar o transporte público de Cuiabá.

- Indignado com a falta de respeito com a população, o prefeito Emanuel Pinheiro afirma que se as atividades do transporte coletivo não forem retomadas hoje, vai tomar providências na Justiça.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE