Cuiabá, 19 de Maio de 2024

ARTIGOS/UNICANEWS Quarta-feira, 14 de Junho de 2017, 18:55 - A | A

14 de Junho de 2017, 18h:55 - A | A

ARTIGOS/UNICANEWS / JOÃO EDISOM

Quatro a três

João Edisom - analista político



Reprodução / Internet

 

O resultado da votação da cassação da chapa Dilma/Temer pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no dia 9 de junho, acabou com o resto de autoestima que o bom brasileiro ainda tinha. Fazendo um paralelo com o futebol, ao conversar com as pessoas eu revivi o clima dos sete a um sofridos por nossa seleção no jogo contra a Alemanha no dia 8 de julho de 2014, durante a Copa do Mundo.

 

Quatro a três no futebol é um resultado apertado, mas quatro a três da forma escandalosa que foi na justiça eleitoral é uma enorme goleada do “jeitinho brasileiro” sobre a ética e a moral de tudo que acreditamos. Até mesmo porque acredito que ninguém duvida que se na cadeira da presidência ainda estivesse sentada a Dilma, o resultado teria sido outro muito diferente. Logo não foi um julgamento, foi um ajeito escandaloso.

 

O triste disso tudo é a total ausência de passeatas vermelhas ou verde e amarelo nas ruas protestando. Não ouvi carro de som gritando que é golpe e nem panelas batendo durante o Jornal Nacional, por que será? Fica claro nem todos os gritos que param o serviço público em pleno dia de semana, ou passeateiros coloridos de finais de semana, querem um país melhor. Querem apenas ocupar o poder para dele serem beneficiados.

 

Como afirmou o ex-presidente dos Estados Unidos da América, John Kennedy, “a vitória tem mil pais, mas a derrota é órfã”. É este o sentimento. O cidadão cumpridor de seus deveres, pagador de impostos e respeitador das normas estão momentaneamente órfãos. O parlamento está presidido por Eunicio Oliveira no Senado e Rodrigo Maia na Câmara. O TSE sob o comando de Gilmar Mendes e a presidência nas mãos de Michel Temer. Quer mais ou acha pouco?

 

Muitas perguntas ficarão para a história responder. Quais interesses ou comprometimento moveu cada árbitro de toga para falar o que falaram e para votar como votaram? Por que o resultado da votação (4 a 3) já era conhecido mesmo antes do relator se pronunciar? Por que de ministros se exaltaram e bateram boca sob as luzes das câmeras de televisão para o mundo todo ver? Descontrole ou teatro?

 

Tudo o que vem ocorrendo com o Brasil e com os brasileiros é muito perigoso, pois as sentenças criam culturas comportamentais. Como afirmou o filósofo existencialista alemão Friedrich Nietzsche: “Em uma grande vitória, o que existe de melhor, é que ela tira do vencedor o receio de uma derrota”. Podemos afirmar que a cultura de que pode errar que depois se dá um jeito está sedimentado e reforçado agora também pelo judiciário brasileiro.

 

Como educar as próximas gerações para o que é certo ou errado, o que é público ou o que é privado, o que é verdade e o que é mentira, o que é honra e o que é insensatez quando os homens dos supra poderes constituídos se locupletaram de ignomínia

 

Apesar de eu acreditar que o voto é sagrado e a eleição imprescindível para a democracia, que ninguém venha com a lengalenga de que uma eleição direta agora ou apenas em 2018 irá fazer o Brasil melhorar. Não vai, pois não temos instituições melhores, não temos uma educação melhor, não temos um eleitor melhor e os melhores brasileiros, não tenho dúvida, já são minoria.

 

O que houve no dia 9 de junho de 2017 foi uma violência sobre o bom cidadão. Como afirmou o filósofo Jean Paul Sartre, “a violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota”. Temer/Dilma venceram, mas o Brasil foi derrotado. Foi impiedosamente goleado pela desfaçatez e desonra daqueles que deveriam dignificar o cargo que exercem e o salário que recebem.

 

Mas precisamos encontrar forças para educarmos as próximas gerações, educar as pessoas, educar nossos filhos e acharmos caminhos onde não temos, pois assim como afirmou Theodore Roosevelt, “é muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar triunfos e glórias, mesmo expondo-se a derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta que não conhece vitória nem derrota”. 

 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia