Cuiabá, 19 de Maio de 2024

VOLTA AO MUNDO Quinta-feira, 31 de Agosto de 2017, 10:00 - A | A

31 de Agosto de 2017, 10h:00 - A | A

VOLTA AO MUNDO / BRASIL

Temer diz que "não se pode manter silêncio" sobre suspeição de Janot e que defesa pode recorrer

Por Pedro Fonseca/ Redação Reuters



(Reprodução)

temer.jpg

 

O presidente Michel Temer afirmou nesta quinta-feira que sua defesa cogita apresentar recurso ao plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do ministro da corte Edson Fachin de rejeitar pedido de suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

 

“Essa é uma questão que diz respeito ao meu advogado. O advogado, certamente, tomará providência... Ele me disse que talvez tenha agravo para o plenário no Supremo”, disse o presidente a jornalistas em entrevista, após encontro com empresários chineses em Pequim, onde faz visita de Estado.

 

A defesa de Temer apresentou há três semanas pedido de afastamento de Janot das investigações contra o presidente por ele ter supostamente uma atuação parcial. No pedido, o advogado de Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, argumentara que o chefe do Ministério Público Federal (MPF) está “obstinado” em incriminá-lo e tem “evidente inimizade” pelo presidente.

 

O ministro Fachin, no entanto, disse em decisão divulgada na quarta-feira que as manifestações do procurador-geral não permitem a conclusão da existência de relação de “inimizade capital” entre Temer e Janot -- um dos motivos previstos na legislação para afastar o chefe do MPF.

 

Para o presidente, o pedido de suspeição não representa uma tentativa de desqualificar Janot, mas se fez válido por atitudes do procurador.

 

“Você sabe que no plano jurídico, quando alguém começa a agir suspeitamente, você tem que arguir da suspeição, e quem decide é o Judiciário. O Judiciário é que vai decidir o que deve haver, se há suspeição, se não há suspeição. O que não se pode é manter o silêncio”, afirmou.

 

Temer está na China em viagem oficial na qual se reunirá com o presidente chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro, Li Keqiang, além de aproveitar a visita para fazer propaganda do recente pacote de concessões anunciado pelo governo, assim como a venda do controle da Eletrobras, com o objetivo de atrair investimentos para o país.

 

Temer participará também de seminário empresarial e depois da 9ª Cúpula dos Brics --bloco formado, além de Brasil e China, por Rússia, Índia e África do Sul-- na cidade de Xiamen.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia