Cuiabá, 21 de Julho de 2024

CIDADES Sábado, 30 de Março de 2024, 07:56 - A | A

30 de Março de 2024, 07h:56 - A | A

CIDADES / ALERTA

Grão-mestre maçom de MT alerta sobre golpe na internet: “Não existe Maçonaria Virtual”

Líder da Grande Loja Maçonica do Estado de Mato Grosso alerta sobre a ação de estelionatários especializados em golpes com o nome da instituição.

Ari Miranda
Única News



Vários internautas pelo Brasil já foram vítimas do chamado “golpe da Maçonaria virtual”, onde pessoas acabam seduzidas por propagandas de internet, com a promessa de iniciação e ingresso facilitados na organização, de forma virtual, vendendo ainda a promessa de crescimento pessoal, profissional e financeiro.

Todavia, Pedro Calazans, grão-mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso (GLEMT), afirmou em entrevista ao podcast Política & Política, do portal TV Única, que a instituição não faz recrutamento de membros via internet.

“Não existe maçonaria pela internet. A maçonaria é feita dentro de templos, a iniciação é física, ela é feita pessoalmente com o candidato”, destacou.

“Vem se difundindo isso, mas não passa de Maçonaria ‘fake’”, completou

O grão-mestre destacou ainda que, para o ingresso na Maçonaria existe uma série de ‘filtros’, que vão desde a indicação até a investigação social do pretenso candidato.

“Para iniciar na instituição, é necessário ter, no mínimo, 21 anos e ser indicado por um maçom de um grau específico. Então, esse maçom indica o candidato, que passa por um processo de votação, de análise, de investigação da vida pregressa, até chegar a derradeira fase, que é a iniciação propriamente dita. Ou seja, demanda um bom tempo”, ressaltou o grão-mestre.

Calazans explica ainda que a instituição busca formas de combater a desinformação acerca da Maçonaria e a disseminação da “maçonaria virtual”.

“Não é fácil, porque hoje na internet as informações se propagam com muita velocidade. Estamos buscando formas de coibir esse tipo de ação, e a melhor forma é o esclarecimento”, pontuou.

O GOLPE

O golpe teve seu auge em 2022, quando uma série de vídeos em que supostos mestres maçons convidavam internautas para fazer parte da “ordem maçônica”.

Entretanto, a adesão só era feita mediante o depósito de uma certa quantia em dinheiro.

O golpe, inclusive, virou caso de polícia naquele ano, na cidade do Rio de Janeiro, onde um grupo de pessoas foram vítimas de falsos maçons, sendo atraídas pela internet com a falsa promessa de lucrar muito em aplicações financeiras.

Em um dos casos, uma das vítimas chegou a depositar a soma de R$ 90 mil para os golpistas.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia