Cuiabá, 30 de Maio de 2024

CIDADES Quinta-feira, 10 de Agosto de 2017, 18:35 - A | A

10 de Agosto de 2017, 18h:35 - A | A

CIDADES / RIO TELES PIRES

MP recomenda que empresa se retrate sobre previsão do enchimento do lago da usina

Da Redação



(Foto: Reprodução/Web)

Usina de Teles Pires.jpg

 

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT) recomendou que a Empresa de Energia São Manoel (EESM) – responsável pela Usina Hidrelétrica São Manoel localizada no Rio Teles Pires – faça uma retratação de forma ostensiva em relação aos avisos anteriores de que o enchimento do reservatório artificial da usina se daria ainda no mês de agosto. O MPF requer ainda pedido de desculpas à população da região, principalmente aos membros das etnias indígenas Kayabi, Munduruku e Apiaká.

 

De acordo com o procurador da República em Sinop, Malê de Aragão Frazão, apesar de o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) não ter emitido a Licença de Operação, e nem ter um prazo específico para fazê-lo, a concessionária começou a divulgar informações enganosas sobre a situação do empreendimento, afirmando já haver data certa para a emissão da licença e que o enchimento do reservatório artificial teria início ainda neste mês.

 

A informação inverídica acabou gerando intranquilidade e apreensão na sociedade, principalmente nas minorias indígenas afetadas e altamente vulneráveis aos impactos socioambientais da instalação e operação da UHE São Manoel.

 

Conforme o procurador, a Diretoria de Licenciamento do Ibama informou que ainda restam inspeções a serem realizadas e que os relatórios de monitoramento da ictiofauna não estão adequados, precisando ser complementados. A afirmação foi feita em reunião realizada em 11 de julho na sede da Procuradoria-Geral da República, em Brasília.

 

A Coordenadoria Geral de Licenciamento da Fundação Nacional do Índio (Funai) também não finalizou o parecer sobre o cumprimento da condicionante indígena da Licença de Instalação, documento igualmente essencial à expedição da Licença de Operação.

 

Recomendação 

 

Levando em consideração todas essas informações, o procurador emitiu a recomendação para que a empresa desfaça o mal entendido, informando expressamente que o Ibama ainda não emitiu a licença e que também não possui prazo para fazê-lo, e que o enchimento do reservatório somente se dará quando a licença for outorgada. Frazão também recomenda que a concessionária peça desculpas a toda população da região por meio dos veículos de comunicação usados para divulgar a informação enganosa.

 

A empresa terá que comprovar ao MPF que realizou as ações de retratação no prazo de dez dias, sob pena de ajuizamento de ação civil pública. (Com informações da Assessoria) 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia