Cuiabá, 25 de Junho de 2024

VOLTA AO MUNDO Quinta-feira, 24 de Março de 2022, 14:33 - A | A

24 de Março de 2022, 14h:33 - A | A

VOLTA AO MUNDO / NA MESMA MOEDA

Biden diz que EUA responderão se Putin usar armas químicas

CNN Brasil
Única News



Após se reunir com líderes da Otan, do Conselho Europeu e do G7 em uma tentativa de alinhar respostas à invasão russa da Ucrânia, o presidente americano Joe Biden afirmou, nesta quinta-feira (24), que os Estados Unidos irão responder caso a Rússia use armas químicas em território ucraniano. Acompanhe a programação ao vivo da CNN no vídeo acima.

“Nós responderíamos se ele usasse. A natureza da resposta dependeria da natureza do uso”, disse Biden durante entrevista coletiva no quartel-general da Otan, em Bruxelas, na Bélgica. “Deflagraria uma resposta à altura. Caso a Rússia dê esse passo, nós tomaremos essa decisão”, completou.

Também nesta quinta, data em que a guerra completa um mês, a Assembleia-Geral da ONU aprovou uma resolução que responsabiliza a Rússia pela crise humanitária na Ucrânia – o texto prevê ainda o envio de ajuda humanitária ao país.

Foram 140 votos a favor, 5 contra e 38 abstenções. O Brasil votou a favor da medida. A segunda resolução, que eximiria a Rússia da crise, proposta pela África do Sul, não chegou a ser votada após ser rechaçada por 67 países. Embora não vinculativas, as resoluções da assembleia têm peso político.

Mais cedo, o secretário-geral da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Jens Stoltenberg, anunciou que os líderes da organização decidiram em reunião dar mais apoio à Ucrânia e enviar tropas para Bulgária, Romênia e Eslováquia, países vizinhos. O encontro entre as lideranças aconteceu em Bruxelas.

Stoltenberg destacou ainda que a Otan se prepara para longo prazo e aumentará seu apoio para todos os países ameaçados pelos russos. Ele também afirmou que a China deve utilizar a sua influência na região para “promover a paz” e pressionar Vladimir Putin para acabar com a guerra.

O possível uso de armas químicas pela Rússia foi destacado por Stoltenberg como motivo de preocupação. Segundo ele, a utilização deste tipo de armamento mudaria a natureza da guerra. O secretário-geral disse que a Aliança está fazendo tudo para evitar entrar no confronto.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, participou virtualmente da reunião da Otan e disse que o país precisa de apenas uma fração do poder de fogo combinado da Aliança. “Vocês podem nos dar 1% de todos os seus aviões, um por cento de todos os seus tanques. Um por cento!”, pediu o ucraniano, em um apelo efusivo por mais assistência militar, segundo um alto funcionário do governo dos Estados Unidos que ouviu os comentários.

Em um mês de guerra, os números do conflito, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), são de quase 1.000 civis mortos. Apesar da ofensiva, as forças russas ainda não conseguiram capturar a capital Kiev. Na avaliação de especialistas e da inteligência de países ocidentais, o exército russo sofre com problemas logísticos, falta de suprimentos e tem dificuldade em superar resistência ucraniana.

Ucrânia afirma ter destruído grande navio de guerra russo

O porto de Berdyansk, no sul da Ucrânia, foi abalado por uma série de fortes explosões logo após o amanhecer desta quinta-feira (24). Ele havia sido recentemente ocupado por forças russas e vários navios de guerra russos estavam ancorados lá.

As Forças Armadas da Ucrânia disseram que “destruíram um grande navio de desembarque” que chamaram de “Orsk”.

Vários navios russos estavam descarregando equipamentos militares em Berdyansk nos últimos dias, de acordo com relatos do porto por meios de comunicação russos.

As forças armadas ucranianas disseram que, além de destruir o Orsk, “mais dois navios foram danificados. Um tanque de combustível de 3.000 toneladas também foi destruído. O fogo se espalhou para o depósito de munições do inimigo. Detalhes dos danos causados ao ocupante estão sendo esclarecidos.”

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia