Cuiabá, 22 de Maio de 2024

VOLTA AO MUNDO Terça-feira, 19 de Setembro de 2017, 14:34 - A | A

19 de Setembro de 2017, 14h:34 - A | A

VOLTA AO MUNDO / BRASIL

Na ONU, Temer diz que não há margem para "alternativas à democracia"

Por Agência EFE



(Reprodução)

temer.jpg

 

 

O presidente Michel Temer abriu nesta terça-feira os discursos na 72ª Assembleia-Geral da ONU, citou a deterioração da situação dos direitos humanos na Venezuela e afirmou que não há margem para "alternativas à democracia" na América do Sul.

 

Como é tradicional, o presidente do Brasil foi o primeiro chefe de Estado a discursar após as mensagens iniciais do secretário-geral da ONU, António Guterres, e do presidente da Assembleia-Geral, Miroslav Lajcak.

 

"A situação dos direitos humanos na Venezuela segue se deteriorando", afirmou Temer no discurso, o segundo que faz na ONU desde que assumiu o poder após o impeachment de Dilma Rousseff.

 

"Apoiamos o povo venezuelano, com o qual mantemos um vínculo fraternal. Na América do Sul não há margem para alternativas à democracia", completou o peemedebista.

 

Temer disse que essa é uma mensagem que tem sido dita dentro do Mercosul. "E é o que continuaremos defendendo", reforçou.

 

O presidente ainda afirmou que o Brasil promove uma cooperação mais próxima com o restante da América Latina e com a América do Sul, que é a "vizinhança imediata" do país.

 

"Queremos que a América do Sul seja próspera e democrática", ressaltou Temer no discurso.

 

No discurso, Temer também reiterou as propostas do Brasil para reformar a ONU e ampliar o Conselho de Segurança, com o objetivo de "adaptá-lo à realidade do século XXI". Para o peemedebista, o mundo precisa que a ONU seja cada vez "legítima e eficaz".

 

"É urgente que possamos ouvir a voz da maioria desta Assembleia", reiterou o presidente.

 

Temer também defendeu a redução do protecionismo em favor do desenvolvimento e afirmou que um novo Brasil está surgindo das reformas que estão sendo promovidas pelo governo.

 

"Recusamos os nacionalismos exacerbados. Não acreditamos no protecionismo como saída para as dificuldades econômicas - dificuldades que demandam respostas efetivas para as causas profundas da exclusão social", defendeu Temer.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia