Cuiabá, 16 de Junho de 2024

JUDICIÁRIO Quinta-feira, 19 de Maio de 2022, 16:41 - A | A

19 de Maio de 2022, 16h:41 - A | A

JUDICIÁRIO / OPERAÇÃO DESCOBRIMENTO

MPF denuncia ex-secretário, lobista e outras 14 pessoas por tráfico com bloqueio de R$ 69 milhões

Thays Amorim
Única News



O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia à Justiça Federal contra o ex-secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação (Seciteci), Nilton Borgato (PSD), o lobista Rowles Magalhães e outras 14 pessoas por tráfico de drogas, organização criminosa, lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro nacional, no âmbito da Operação Descobrimento, além de bloquear R$ 69.789.00,00.

A operação foi deflagrada pela Polícia Federal (PF) na última terça-feira (19). A peça, com mais de 170 páginas, narra com detalhes toda a estrutura e operação da organização criminosa, que levava remessas de cocaína para a Europa em jatinhos, sendo Nilton e Rowles do primeiro escalão do tráfico.

O ex-secretário era responsável pela intermediação da droga, dos transportadores e o contato deles com os destinatários na Europa, enquanto o lobista atuava na programação e organização dos voos.

Também são alvos da denúncia Ricardo Agostinho, Nelma Kodama, Cláudio Rocha Júnior, Marcelo Mendonça de Lemos, Marcelo Lucena da Silva, Marcos Paulo Barbosa Lopes, Edson Carvalho Sales dos Santos, Dilson Borges dos Santos, Ricard Rodrigues Consentino, Cícero Guilherme Conceição Desidério, Mansur Mohamed Bem Barka Heredia, Lincoln Félix dos Santos, Fernando de Souza Honorato e Joelma Moraes Gomes Girotto.

“No período compreendido entre, pelo menos, os meses de junho de 2020 e fevereiro de 2021, nas cidades de São Paulo, Jundiaí e Mato Grosso e Lisboa, Portugal, [os réus] em vontade livre e cientes da ilicitude de suas condutas, em comunhão de esforços, integraram organização criminosa, associando-se entre si, de forma estruturalmente ordenada e com divisão de tarefas, com o objetivo de obter vantagem indevida, mediante a prática de infrações penais de caráter transacional e cuja pena privativa de liberdade máxima é superior a 4 anos”, aponta trecho da denúncia.

A Polícia Federal havia encontrado uma movimentação financeira suspeita entre o médico Fernando Gabriel Padilla de Borbon Neves, cunhado do ex-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho (UB), e Rowles. Contudo, o MPE livrou o médico da denúncia, já que ele apresentou documentos que afastaram uma suposta participação no esquema.

O MPF pediu ainda a condenação dos denunciados por danos morais coletivos no mesmo valor do bloqueio de bens, em R$ 69,7 milhões, além do perdimento de crédito em R$ 300 mil em favor da pessoa jurídica AR Alves Com. e Serviços Móveis, já que a quantia foi transferida pelo cunhado do ex-chefe da Casa Civil Mauro Carvalho, o médico Fernando Gabriel Padilla de Borbon Neves, a pedido de Rowles.

A operação

As investigações tiveram início em fevereiro de 2021, quando um jato executivo Dassault Falcon 900, pertencente a uma empresa portuguesa de táxi aéreo, pousou no aeroporto internacional de Salvador (BA) para abastecimento. Após ser inspecionado, foram encontrados cerca de 595 kg de cocaína escondidos na fuselagem da aeronave.

A partir da apreensão, a Polícia Federal conseguiu identificar a estrutura da organização criminosa atuante nos dois países, composta por fornecedores de cocaína, mecânicos de aviação e auxiliares (responsáveis pela abertura da fuselagem da aeronave para acondicionar o entorpecente), transportadores (responsáveis pelo voo) e doleiros (responsáveis pela movimentação financeira do grupo).

Na residência de Borgato, foram encontrados vários itens de luxo, como bolsas, U$$ 4 mil em dólares, R$ 29,3 mil e diversos diamantes - que estavam escondidos em baixo da cama do ex-secretário.

O ex-chefe da Seciteci foi exonerado do alto escalão do Palácio Paiaguás no dia 31 de março, para disputar uma vaga na Câmara Federal.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia