Cuiabá, 25 de Julho de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 05 de Outubro de 2018, 08:52 - A | A

05 de Outubro de 2018, 08h:52 - A | A

POLÍTICA / ELEIÇÃO JUDICIALIZADA

Candidato ao Senado entra com ação contra Selma por calúnia e difamação

Luana Valentim



(Foto: WhastApp)

Sebastião-BO-Selma 4.jpg

 

O candidato ao Senado, Sebastião Carlos (Rede) protocolou na tarde desta quinta-feira (04), uma queixa-crime contra a juíza aposentada e sua adversária neste pleito, Selma Arruda (PSL) pelos crimes de calúnia e difamação. 

 

A ação foi ingressada no Juizado Especial Criminal de Cuiabá, onde Sebastião também cobra uma indenização por danos morais da magistrada, pela exposição vexatória de sua imagem, com ingresso de uma ação cível.

 

“Estou dando entrada com esta queixa-crime contra a candidata, porque me sinto agredido pelas acusações injustas e malévolas que ela fez, atingindo a minha honra, a minha reputação e a minha dignidade. A queixa-crime é por calunia e difamação. Como todos sabem, eu apresentei uma ação de investigação judicial no processo eleitoral, para que ela venha e demonstre que não desrespeitou a lei”, informou.

 

Ele reiterou ainda, que Selma fez gastos de campanha em período proibido gastando mais de R$ 700 mil e que ao prestar contas junto ao Tribunal Regional Eleitoral no ato de registro de sua candidatura, a juíza apresentou ter menos que a metade deste valor [R$ 287 mil].

 

“Ela não podia fazer isso e fez em período que era vedado. Os candidatos não podiam gastar nenhum centavo neste período, pois de acordo com a legislação, os gastos só poderiam ser feitos após as convenções”, pontuou.

 

Sebastião relatou que, no entanto, Selma começou a fazer gastos em abril deste ano e a convenção do PSL foi em agosto, estando ela totalmente irregular, desrespeitando a Lei Federal que veda esse tipo de gastos.

 

Na última terça-feira (2), o candidato pela Rede chegou a registrar um boletim de ocorrência contra Selma pelo mesmo motivo. 

 

Sebastião relata que desde que protocolou a ação de investigação judicial eleitoral [protocolo n. 0601616- 19.2018.6.11.0000] em trâmite no Tribunal Regional Eleitoral contra a candidata que, por meio de entrevistas e notas pessoais nos meios de comunicação do Estado, passou a disseminar insultos contra a sua honra e dignidade pessoal, caracterizando como calúnia e difamação.

 

“Consta em vários sites de repercussão de notícias, acusações proferidas pela candidata ao Senado, Selma Arruda acusando e chamando o denunciante de laranja, dizendo que ele teria recebido algum dinheiro para beneficiar outro candidato com o ajuizamento da ação de investigação eleitoral”, diz trecho da denúncia.

 

Na última segunda-feira (1), Selma disse em coletiva de imprensa que Sebastião é um candidato ‘laranja’ sendo usado pelo publicitário Junior Brasa, a quem ela acusa de extorsão. Ela relata que o candidato, não tendo nenhuma chance de se eleger e figura como o autor de uma representação contra ela sobre o crime de caixa dois.

 

Ainda completa que fica muito claro a armação ao analisar que Junior Brasa entrou com essa ação as 17h e no dia seguinte as 8h foi protocolada a investigação pelo candidato.

 

O candidato informou ainda que sobre esta ação em que acusa Selma de usar recursos próprios na campanha eleitoral, em período vedado pela Justiça. Ele requereu a quebra de sigilo bancário dos candidatos da chapa.

 

“Essa ação foi aceita pelo juiz e o Ministério Público Federal já se manifestou indo um pouco mais além, pedindo a quebra de sigilo bancário dela. Ao invés de se defender, ela preferiu usar expressões grosseiras a meu respeito. Essa ação que corre no TRE, a queixa-crime e em poucas horas entrarei com outra ação cível por danos morais”, afirmou.

 

(Foto: WhastApp)

Sebastião-BO-Selma.jpg

 

 

(Foto: WhastApp)

Sebastião-BO-Selma 2.jpg

 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia