Cuiabá, 22 de Maio de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017, 09:28 - A | A

24 de Novembro de 2017, 09h:28 - A | A

POLÍTICA / CONVESCOTE

Policial que quis vender informações será ouvido por Selma em dezembro

Da Redação



(ROGER PERISSON)

selma arruda.jpg

 

A juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá marcou para o dia 13 de dezembro o depoimento do policial militar Franckciney Canavarros Magalhães, que tentou vender informações sigilosas.

 

Franckciney está preso desde o dia 15 de setembro. Ele era lotado no Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). As informações iriam favorecer a organização criminosa para o também investigado Hallan Gonçalves de Freitas. No entanto, isso trouxe prejuízos para a apuração dos fatos.

 

Hallan era funcionário da Fundação Antares de Ensino Superior, Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (Faespe). Ele firmou termo de colaboração premiado com o Ministério Público depois de ser preso, pois, todas as notas emitidas em contrato com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT) eram frias. Os documentos seriam emitidos para o secretário geral da Casa de Leis, Tscharles Franciel, que tinha conhecimento de todo o esquema.

 

Investigação

A investigação do Gaeco mostrou que os membros da organização criminosa desviaram dos cofres do Tribunal de Contas do Estado (TCE), da AL e da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Prefeitura de Rondonópolis, distante a 218 quilômetros de Cuiabá, ao menos R$ 3 milhões. Os desvios foram entre os anos de 2015 e 2016. Os integrantes foram alvos da operação Convescote.

 

 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia