Cuiabá, 19 de Maio de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 14 de Julho de 2017, 14:49 - A | A

14 de Julho de 2017, 14h:49 - A | A

POLÍTICA / ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

Juíza acata e 22 são denunciados por desvios milionários em contratos com a Faespe

Da Redação



(Foto: TJ-MT)

juíza selma arruda.jpg

 

Denúncia feita pelo Ministério Público Estadual, contra 22 pessoas, detidas na operação Convescote, foi acatada nesta última quinta-feira (13), pela magistrada Selma Arruda da 7ª Vara Criminal de Cuiabá. Entre os envolvidos estão servidores públicos e empresários, acusados de participar de uma suposta organização criminosa que teria desviado mais de R$ 3 milhões em recursos públicos entre os anos de 2015 e 2016, por intermédio de contratos da Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faespe), que realizavam serviços fictícios.

 

A denúncia formulada pelo MPE - dentro da o “Convescote” deflagrada pelo Grupo de Atuação Especializada Contra o Crime Organizado (Gaeco) em junho deste ano, mirou a apuração de desvios de dinheiro público em convênios celebrados entre a Faespe e instituições públicas como o Tribunal de Contas do Estado (TCE), Assembleia Legislativa, prefeituras de Rondonópolis, Várzea Grande e Secretaria de Estado de Infraestrutura, que superam R$ 70 milhões.

 

Conforme o despacho da magistrada, irão responder pelos crimes de organização criminosa, peculato e lavagem de dinheiro: Cláudio Roberto Borges Sassioto, Marcos Moreno Miranda, Luiz Benvenuti Castelo Branco de Oliveira, José Carias da Silva Neto, Karinny Emanuelle Campos Muzzi de Oliveira, João Paulo Silva Queiroz, José Antônio Pita Sassioto, Hallan Gonçalves de Freitas, Marcos José da Silva, Jocilene Rodrigues de Assunção, Marcos Antônio de Souza e Elizabeth Aparecida Ugolini.

 

Marcos José da Silva e sua esposa Jocilene Rodrigues, ainda foram denunciados como os líderes da organização e também denunciados por falsidade ideológica. Já Eder Gomes de Moura responderá por corrupção ativa.

 

Lázaro Romualdo Gonçalves de Amorim, Alison Luís Bernardi, Nerci Adriano Denardi, Márcio José da Silva, Tschales Franciel Tschá, Drieli Azeredo Ribas, Marcelo Catalano Correa, Sued Luz e Odenil Rodrigues de Almeida, irão responder pelo crime de falsidade ideológica.

 

Na decisão, a juíza determinou que o Gaeco instaure procedimento investigatório complementar que visa apurar a participação, ou não, de José Augusto Proença de Barros, Fadia Kassem Fares Garcia, Maurício Marques Junior da Silva e Marcelo Geraldo Coutinho Horn. A magistrada determinou ainda o arquivamento da denúncia contra o ex-secretário adjunto de Infraestrutura e Desapropriações da Secopa, Alysson Sander Souza e Fabricio Ribeiro Nunes Domingues, por falta de provas.

 

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia