Cuiabá, 25 de Maio de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 17 de Outubro de 2017, 15:46 - A | A

17 de Outubro de 2017, 15h:46 - A | A

POLÍTICA / GRAMPOLÂNDIA PANTANEIRA

Defesa nega delação de cabo Gerson no caso de grampos em Mato Grosso

Da Redação



(Foto: Reprodução)

6c8a8b1bf6b8d2b12668e38f4d16f287.jpg

 

O advogado que patrocina a defesa do cabo da Polícia Militar, Gerson Corrêa Júnior, afirmou ao Site Única News, que seu cliente não firmou nenhum acordo de colaboração com a Justiça.

 

"Eu não sei de onde saiu essa informação. Estou emitindo uma nota sobre meu cliente. Foi um simples ato de interrogatório", disse.

 

Nesta segunda (16), Gerson que é réu na ação que investiga esquema de escutas clandestinas supostamente operados pelo alto escalão da PM, prestou novos esclarecimentos aos delegados responsáveis pelo caso, Flavio Henrique Stringueta e Ana Cristina Feldner.

 

E fontes de dentro do Complexo Miranda Reis, onde foi realizado este último depoimento do militar, revelam que o cabo, teria esclarecido algumas lacunas nas investigações sobre a rede clandestina de escutas em Mato Grosso.

 

Ou seja, pela primeira vez, Gerson teria ido mais longe em um depoimento. Ainda que possa, a ação, ser admitida como uma confissão, porém está muito longe de ser uma delação. Levando-se em consideração o significado da delação premiada, que é uma expressão utilizada no âmbito jurídico, que significa uma espécie de "troca de favores" entre o juiz e o réu.

 

Caso o acusado forneça informações importantes sobre outros criminosos de uma quadrilha ou dados que ajudem a solucionar um crime, o juiz poderá reduzir a pena do réu quando este for julgado.

 

O cabo -profundo conhecedor do Sistema Sentinela, usado para o monitoramento - está preso desde maio, por determinação do juiz Marcos Faleiros. Ele é acusado de ser um dos 'cabeças' do esquema, que ficou conhecido como Grampolândia Pantaneira e que contaria com a participação de oficiais, no epicentro do comando da rede clandestina de escutas em Mato Grosso.

 

Na última quarta-feira (11), o desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça, determinou uma nova prisão preventiva contra Gerson. O cabo está detido no Centro de Custódia da Capital (CCC).

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia