Cuiabá, 25 de Maio de 2024

RADAR NEWS Terça-feira, 25 de Julho de 2017, 17:51 - A | A

25 de Julho de 2017, 17h:51 - A | A

RADAR NEWS / OPERAÇÃO CONVESCOTE

Maluf nega autorização de notas sem fiscalização

Da Redação



(Foto: Reprodução)

deputado - guilherme-maluf.jpg

 

Nesta terça-feira (25), o deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) afirmou, por meio de nota, que nunca autorizou o assessor, Odenil Rodrigues, a assinar notas para a Faespe, sem que antes fosse realizado uma fiscalização, afim de constatar a autenticidade dos serviços.

 

O assessor é alvo da Operação Convescote, que investiga irregularidades em contratos da Faespe com o Tribunal de Contas (TCE), Legislativo estadual e prefeituras municipais. E, em depoimento, no último dia 30, aos responsáveis pela investigação, afirmou que tanto Maluf, quanto o deputado estadual Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), autorizaram a assinatura das notas.

 

Em nota, Maluf afirma que nunca teria autorizado a assinatura de documentos falsos.  E, garantiu que Odenil foi autorizado a fiscalizar e atestar notas que correspondessem ao seu cargo.

 

 

Leia a nota na íntegra:

 

"O deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) esclarece que em nenhum momento determinou ou autorizou qualquer servidor a assinar documentos falsos, sem a devida fiscalização da prestação de serviços à Assembleia Legislativa.

 

Sobre as declarações do assessor Odenil Rodrigues de Almeida, Maluf pontuou que o autorizou a fiscalizar e atestar notas sim, conforme as prerrogativas do cargo exercido pelo servidor.

 

O parlamentar não acredita no envolvimento doloso de servidores da Casa de Leis e está colaborando com as investigações para que os fatos sejam esclarecidos.

 

O primeiro secretário ainda informou que a Assembleia já apura através de uma auditoria especial a execução do convênio com a Faespe."

 

 

Entenda o Caso

 

A operação Convescote -  primeira e segunda fase -, investiga organização criminosa que desviou milhões em contratos irregulares, selados entre a Faespe com o TCE, a Assembléia Legislativa, a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) e prefeituras municipais, como a de Várzea Grande e Rondonópolis, nos anos de 2015 e 2016.  Usando comumente empresas de fachada para prestação de serviços fictícios.

 

Ainda de acordo com as investigações, a Faespe contratava outras empresas, de fachada, para falsear o cumprimento das atividades que deveriam ser feitas pela fundação. A estimativa é de que as fraudes praticadas pela fundação, vinculada à Unemat, tenham desviado ao menos, R$ 3 milhões dos cofres públicos. Mas o Gaeco prevê que os valores sejam ainda maiores, porém somente serão descobertos ao longo das apurações sobre o caso.

 

Além de Odenil, o assessor de Maluf, Sued Luz, e o ex-secretário-geral da Assembleia Legislativa, Tschales Tschá, também são acusados de atestarem serviços da Faespe.

FAÇA PARTE DE NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E RECEBA DIARIAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS!

GRUPO 1  -  GRUPO 2  -  GRUPO 3

Comente esta notícia