Cuiabá, 09 de Abril de 2020

CIDADES
Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020, 10h:26

OPERÁRIO VG

Grupo protesta contra vinda de Bruno: ‘Meu ídolo não é feminicida. Respeitem as mulheres’

Elloise Guedes
Única News

(Foto: Reprodução/TVCA)

protesto bruno

 

Um grupo formado por homens e mulheres foi até o Estádio Dito Souza, localizado no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande, na noite dessa terça-feira (21), para protestar contra a contratação do goleiro Bruno Fernandes, que deve jogar pelo Clube Operário Várzea-grandense. Bruno foi condenado pelo feminicídio de Eliza Samudio e cumpre pena em regime semiaberto na cidade de Varginha-MG.

O ato ocorreu durante a partida entre o Operário e o Poconé, primeiro jogo da equipe pelo Campeonato Mato-grossense de 2020. O protesto foi pacífico e não impediu a entrada dos torcedores que foram assistir ao jogo.

A manifestação foi organizada pelo Bloco de Mulheres, com o objetivo de reunir a população para ressaltar a indignação e cobrar uma posição dos dirigentes de CEOVG, que insistem em contratar um homem condenado pelo assassinato cruel da amante.

(Foto: Reprodução/TVCA)

PROTESTO BRUNO

 

O grupo, trajando camisetas pretas e levando cartazes com frases de efeito, protestou sob o canto: “Meu ídolo não é feminicida. Respeitem as mulheres. Operário sim, assassino, não”.

A procuradora e presidente do Conselho Estadual da Mulher, Glaucia Amaral, ressaltou a importância do ato. "Não temos nada contra a ressocialização, pelo contrário, é até absurdo dizer que o conselho é contra a ressocialização. Só não podemos colocar este jogador em posição de ídolo novamente", disse.

O goleiro ainda não chegou a Mato Grosso, pois a Justiça de Minas Gerais ainda não publicou a autorização da transferência.

Relembre o feminicídio

Bruno foi preso em setembro de 2010 e condenado em março de 2013 pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado do filho, Bruninho. Ele também havia sido condenado por ocultação de cadáver, mas esta pena foi extinta, porque a Justiça entendeu que o crime prescreveu sem ser julgado em segunda instância. As penas somadas são de 20 anos e 9 meses.

Atualmente, o goleiro cumpre pena em regime semiaberto domiciliar em Varginha, onde está desde abril de 2017. Ele conseguiu a progressão de pena em 19 de julho, após uma decisão da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais do município.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE